Benedita recebe integrantes de intercâmbio com Cuba

JB Online

RIO - Jovens brasileiros que conseguiram bolsa de estudo em Cuba, através de intercâmbio feito com o Governo do Estado do Rio de Janeiro, pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos, estiveram nesta terça-feira com a secretária Benedita da Silva para falar sobre a experiência de estarem cursando medicina na capital cubana.

Eles vieram acompanhados de integrantes da Associação Brasil-Cuba de Pais e Alunos, das comunidades envolvidas. A vice-presidente da Associação, Talita Rodrigues, disse que o envolvimento do Estado na causa foi fundamental para a obtenção das bolsas de estudos com o governo cubano. Explicou ainda a importância da difícil tarefa da entidade ao selecionar os alunos de várias comunidades para ocuparem a área médica ofertada pelos cubanos.

- A Associação foi formada em 2007 e pretende ampliar a sua atuação, sempre com a ajuda do Governo do Estado, na busca de financiamento em diferentes áreas de ensino superior em Cuba e em outros países disse Talita.

O grupo de estudantes é formado por cinco jovens de comunidades cariocas que começaram a estudar medicina em janeiro deste ano.Eles se emocionam ao contar seus planos futuros. Todos passaram por rigorosa seleção, com testes oral e escrito, que foram avaliados por uma equipe de profissionais do consulado cubano.

Elaine Borges, 20 anos, da Rocinha, está analisando qual a melhor área para atuar, enquanto Maila Albuquerque, 26 anos, da mesma comunidade, já está decidida pela geriatria. - Quero me dedicar aos idosos, pois acho que eles precisam muito de atendimento - comentou Maila.

Já Marcus Vinicius Barros de Carvalho, 23 anos, de Jacarepaguá, quer atuar na área de saúde pública, especificamente no atendimento voltado ao programa Médico de Família, no qual Cuba tem ampla experiência. João Marcos Rodrigues Milagre, 19 anos, que também já foi selecionado e irá iniciar o curso no próximo ano, quer estudar genética.

Das 100 bolsas oferecidas ao Brasil pelo governo cubano, cinco ficaram com o Rio de Janeiro, informaram os dirigentes da Associação, que se orgulham em informar que já foram concedidas outras duas bolsas para o curso superior de Engenharia.

- Não podíamos deixar de agradecer pessoalmente ao Estado, através da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos, por essa vitória, pois todos são integrantes de comunidades carentes que teriam poucas chances de realizar o sonho de estudar medicina ou qualquer outro curso superior - comentou a vice-presidente da Associação.