Projeto prevê a retirada de terminal de 10 linhas de ônibus

Carolina Bellei, JB Online

RIO - Poluição sonora, visual, lixo nas ruas, degradação do patrimônio público, moradores de ruas. As reclamações dos comerciantes e empresários, que têm negócios localizados na Praça Tiradentes, são muitas. Eles esperam que o projeto de revitalização da praça - uma iniciativa da Prefeitura do Rio, Governo Federal e do Banco Interamericano de de Desenvolvimento, dentro do Programa Monumenta traga melhorias para a região. Mas há quinze anos no papel, o programa já não empolga tanto.

A previsão do secretário de patrimônio cultural, André Zambelli, é de que as obras de recuperação e ordenamento da praça só comecem a ser feitas no início do ano que vem. Mas o secretário evitou dar mais detalhes sobre a ação da prefeitura no local, alegando que o projeto ainda está em estudo .

Além de financiar reformas de casas privadas antigas e fazer a manutenção dos monumentos da praça, o Programa Monumenta também prevê uma expansão da Praça Tiradentes, o calçamento da rua em frente a Estudantina e ainda o reposicionamento do terminal de 10 linhas de ônibus que fazem ponto final no local.

Já mudaram esse projeto umas três ou quatro vezes, e até agora não vi nada. Desde que estou aqui, há pelo menos 30 anos, não melhorou nada, só piorou - reclama Isidro Pagi, proprietário da Estudantina Musical, tradicional casa de dança que funciona há 66 anos no local.

A expectativa de que o programa de revitalização da Praça Tiradentes volte a ser revisto em um novo governo municipal preocupa Plínio Fróes, empresário e presidente do Pólo do Novo Rio Antigo, que reúne comerciantes e empresários do Centro da cidade.

Faremos assembléia com os candidatos a prefeito para reivindicar que o Centro seja prioridade em seus governos diz Plínio, que espera que o Monumenta, por ser uma parceria do governo Federal com a prefeitura, não seja esquecido.