Perícia acha marcas de tiro em carro de engenheira

Portal Terra

RIO - A polícia encontrou marcas de tiros no carro da engenheira de produção Patrícia Amieiro Branco de Franco, 24 anos, que desapareceu no dia 14 de junho, na Barra da Tijuca. As informações são do Fantástico.

O carro dela saiu da pista depois de passar por um túnel, caindo em um canal que desemboca no mar. Os peritos não encontraram sangue no carro. Havia perfurações no capô do veículo. A linha de investigação passou a levar em consideração o acidente associado ao impacto dos tiros. Uma análise microscópica confirmou que as marcas são de balas.

Os peritos acharam mais tarde três fragmentos de balas no motor do carro. O cinto de segurança do carro também estava desafivelado. Pulseiras e o relógio da vítima foram encontradas perto do carro.

Dois policiais militares do 31º Batalhão (Barra da Tijuca) são suspeitos do crime. A suspeita surgiu depois da investigação da 16ª Delegacia Policial (Barra da Tijuca) e da Divisão Anti-Seqüestro (DAS), que fizeram o mapeamento via GPS dos trechos percorridos pela viatura que estava de plantão na auto-estrada Lagoa-Barra, junto ao túnel na saída da Joatinga, na madrugada em que Patrícia sumiu.

O Ministério Público vai pedir que seja realizada perícia na viatura usada pelos PMs. Se houver vestígios de sangue com o mesmo DNA de Patrícia, será solicitada a prisão dos dois policiais.

De acordo com o Fantástico, um policial militar confessou ter jogado uma pedra contra o vidro do veículo, após cair na ribanceira. A pedra, de mais de 10 kg, foi encontrada dentro do veículo, como mostram fotos divulgadas pela polícia. Segundo as investigações, o PM poderia querer ocultar alguma marca no vidro do carro. Ele alegou, no entanto, que queria observar o interior do veículo.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais