Tenente que entregou jovens a traficantes da Mineira chora na justiça

JB Online

RIO - Os 11 militares envolvidos no desaparecimento e morte de três jovens do Morro da Providência, assassinados pro traficantes do Morro da Mineira, no Estácio, Zona Norte do Rio, começaram a ser interrogados nesta quinta-feira no Ministério Público Federal (MPF) no Rio. O tenente Vinicius Ghidetti de Moraes Andrade, acusado de ter desacatado a ordem de um capitão para liberar os jovens, chorou ao lembrar da família e do filho.

Até há pouco, os militares ainda estavam sendo ouvidos pelo juiz Marcello Ferreira de Souza Granado da 7ª Vara Federal Criminal. Apesar de mudar algumas versões dos depoimentos prestados, por se dizer pressionado, o tenente Vinícius confirmou a versão de que entregou os três jovens da Providência a traficantes do Morro da Mineira para que recebessem um castigo por supostamente terem desacatado os militares.

Nesta quinta-feira também foram ouvidos Leandro Maia Bueno, Jose Ricardo Rodrigues de Araujo, Bruno Eduardo de Fatima, Renato de Oliveira Alves e Julio Almeida Ré. Na sexta-feira, a partir das 14h, será a vez de Rafael Cunha da Costa Sa, Sidney de Oliveira Barros, Fabiano Eloi dos Santos, Samuel de Souza Oliveira e Eduardo Pereira de Oliveira.

Os 11 militares estão respondendo processo por homicídio triplamente qualificado, ou seja, com crueldade, por motivo torpe e sem chance de defesa para a vítima. Eles estão presos preventivamente no 1º Batalhão de Polícia do Exército, na Tijuca, na Zona Norte da cidade.

Wellington Gonzaga Ferreira, David Wilson da Silva e Marcos Paulo Campos foram assassinados na madurgada do dia em 14 de junho. As vítimas, moradores do Morro da Providência, foram seqüestradas pelos militares e entregues a traficantes do Morro da Mineira, onde foram torturadas e assassinadas com 46 tiros.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais