Bunka Fashion College visita cidade do samba

JB Online

RIO - O Japão encontra o Carnaval carioca. Foi o que aconteceu nesta segunda-feira, com a visita de um grupo de japoneses da Bunka Fashion College - a mais antiga escola de moda japonesa - às instalações da Cidade do Samba.

Acompanhados do coordenador técnico de Design de Carnaval da Universidade Veiga de Almeida, o carnavalesco Milton Cunha, o diretor da BFS, Yoshio Kakishima, a diretora de pós-graduação, Sanae Kosugi, e o professor Shoji Babazono, conheceram os galpões das escolas de samba, as engrenagens dos carros alegóricos, além de um atelier de fantasias. No final da visita, todos almoçaram no refeitório do local.

Os visitantes ficaram impressionados com o tamanho dos carros alegóricos, a forma de confecção das fantasias das escolas de samba e a dimensão das instalações da Cidade do Samba.

- No Japão, tem desfiles com carros alegóricos, mas os carros não são tão grandes. Aqui é muito maior e mais elaborado - disse o diretor Kakishima aos anfitriões brasileiros. Depois do almoço, eles foram presenteados com desenhos de fantasias feitos por Milton Cunha para o desfile de 2008.

Os japoneses também visitaram a UVA para conhecer, além do tradicional curso em Design de Moda, a graduação tecnológica em Design de Carnaval, criada no início deste ano. As instituições pretendem estabelecer futuramente convênios de cooperação técnico-científica e de intercâmbios acadêmicos e culturais.

À tarde, o grupo seguiu para o campus da UVA na Barra para visitar a instituição e conhecer o curso de Design de Jóias, acompanhados do reitor Mário Veiga de Almeida Júnior. Ele presenteou os visitantes com um anel de formatura em Moda oficial da universidade. Em retribuição, a diretora Sanae Kosugi, agradeceu a hospitalidade e disse que o presente será colocado em exposição na sede da Bunka Fashion School juntamente com o cartão da UVA.

Esta foi a primeira visita dos representantes da Bunka Fashion School ao Brasil. Eles pretendem retornar em 2009 para conhecerem melhor o Rio de Janeiro. A UVA foi a única instituição educacional carioca visitada por eles.

- A estrutura é muito boa e o diferencial é que aqui os alunos estão muito integrados com o mercado de trabalho. No Japão, isso só acontece depois da formatura - analisou a diretora Sanae Kosugi.