Apesar do abandono de animais, novas entidades protetoras surgem

Cecília Abreu, JB Online

RIO - Apesar das estatísticas alarmantes de abandono, também cresce a sensibilização e o envolvimento de pessoas com a proteção dos animais.

Assim, são incontáveis os Fotologs, Blogs e comunidades no site de relacionamentos Orkut dedicados, principalmente, à adoção. Esses grupos agem por genuíno amor aos animais, procurando ajudar a diminuir o tamanho do problema que já existe.

Entre as diversas entidades organizadas existentes no Rio, a ONG Oito Vidas, que funciona na Gávea, é dedicada principalmente aos gatos, embora ocasionalmente atenda outros pequenos animais, como cachorros ou coelhos. Foi fundada por duas amigas que amam os bichos, a odontopediatra Lílian Queiroz e a advogada Cristina Palmer, com inspiração na Feral Cat Coalition de San Diego, nos Estados Unidos (https://www.feralcat.com/).

A ONG estimula a adoção e também faz intervenções diretamente nas colônias onde os gatos abandonados vivem e costumam se reproduzir desordenadamente. Os animais são então esterilizados, vacinados, vermifugados, e em seguida devolvidos ao mesmo local, sob supervisão e cuidados.

Assim, a ação tem como objetivo evitar o sofrimento com a superpopulação dos abrigos e a proliferação da colônia.

Além disso, a ONG também recebe e cuida dos animais trazidos por voluntários cadastrados, colocando-os em lares provisórios enquanto aguardam lares definitivos. Contam também com alguns veterinários voluntários, que dão assistência aos animais.

- Não queremos levantar bandeira contra os abrigos. Cada entidade protetora dos animais tem sua própria filosofia e maneira de atuar. Acreditamos, porém, que o confinamento faz mal aos bichos.

Aglomerados e sem espaço, eles acabam estressados e deprimidos - esclarece

- Procuramos conscientizar e modificar a atitude das pessoas que vivem próximas aos locais onde há colônias de gatos complementa.

Os interessados em ajudar podem se cadastrar através do site: https://www.oitovidas.org.br.