Picciani considera justa punição de parlamentares em fraude na Alerj

JB Online

RIO - Em entrevista à Rádio CBN, na manhã desta quarta-feira, o presidente da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani considerou justa a cassação de apenas duas deputadas envolvidas na fraude do auxílio-educação.

Apesar de o Conselho de Ética da Alerj terindicado a punição de cinco envolvidos com a fraude, os deputados Tucalo Dias (PSC), João Peixoto (PSDC), e Edino Fonseca (PR), mantiveram os mandatos. Apenas Jane Cozzolino (PTC) e Renata do Posto (PTB)tiveram os mandados cassados.

- Não acho que a punição tenha sido pouca. A fraude nasceu a partir do Gabinete da Renata do Posto e a deputada Jane Cozzolino foi a que mais usou o benefício. Dos 52 funcionários do gabinete dela, 49 recebiam bolsa-educação. Ficou tudo muito evidente - explicou Picciani.

O presidente da alerj explicou ainda que o Deputado Tucalo assumiu a culpa e por isso teria ganho uma chance nPlenário. Além disso, as pessoas que receberiam o auxílio-educação através do parlamentar, foram exoneradas:

-Tucalo veio agradecer a chance ao final da sessão, mas eu votei por sua cassação. Falei para ele agradecer aos 35 deputados que votaram a favor. espero que ele tenha dito a verdade na tribuna e realmente queira se redimir - disse Picciani.

A quadrilha envolvida na fraude no auxílio-educação desviava pagamentos de salários de funcionários fantasmas. Mais de R$ 3,5 milhões foram desviados desde 2007. Segundo o Conselho de Ética, os desvios com auxílio e salários de fantasmas no gabinete de Jane chegaram a R$ 1,6 milhão. No de Renata, a cifra ficou em R$ 420 mil.