Médico do Exército morre no Rio por causa da dengue

Agência Brasil

RIO - Um médico do Exército é a primeira morte registrada nas Forças Armadas por causa da dengue no Rio de Janeiro. O tenente médico Daniel Lins, 27 anos, morreu nesta terça-feira com dengue hemorrágica. Ele faria 28 anos no próximo mês. A informação é da família do militar.

A prima do militar, a jornalista Sabrina Gouveia, afirmou à Agência Brasil que Daniel teve a dispensa recusada pelo oficial superior.

- Ele ia esta semana para a tenda de hidratação do Exército. Como estava passando mal, ficou no quartel. Mas trabalhou normalmente no quartel como médico, chegou a fazer remoção de soldado passando mal, sem condições. E o superior não liberou ele, mesmo passando mal - afirmou.

Além da dengue hemorrágica, foi constatado que Daniel Lins estava com pneumonia.

- Ele já estava vomitando sangue - disse a prima.

Sabrina Gouveia disse que o Exército também se recusou a fazer o atendimento médico ao militar.

- Recusaram a dispensa dele passando mal e recusaram atendimento - afirmou.

O corpo do oficial está sendo velado no Cemitério Jardim da Saudade, em Mesquita, Baixada Fluminense, onde será enterrado esta tarde. Procurada, a assessoria de comunicação do Comando Militar do Leste confirmou apenas que um tenente do Exército havia morrido "de ontem para hoje'. Não foi confirmado, no entanto, se a morte teria sido por dengue.