Rio terá modelo de combate à dengue usado em SP

Chico Siqueira, Portal Terra

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - O modelo de pronto-atendimento dado aos pacientes com dengue em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, será adotado a partir de amanhã para combater a epidemia da doença no Rio de Janeiro. Técnicos da Secretaria de Saúde de Rio Preto repassaram hoje as instruções para os profissionais do Hospital Geral de Jacarepaguá, que será a primeira unidade a usar o novo modelo no Rio de Janeiro.

» Veja os sintomas e identifique a dengue

» Definidos Estados que enviarão médicos

» Cabral quer médicos sem "lengalenga"

» Opine sobre o modelo de atendimento

O trabalho prevê integração entre médicos e enfermeiros e visa a reduzir o tempo de espera do paciente, que receberá os primeiros atendimentos enquanto espera na fila a consulta com os médicos. Ainda na fila, o paciente tem o sangue colhido para hemograma e recebe o kit-dengue, com soro, dipirona e paracetamol, além de um cartão de atendimento que vai identificar o doente com as cores verde, amarela, laranja e vermelha, conforme o grau da doença.

"Os vermelhos, por exemplo, são os pacientes em estado grave, que serão os primeiros a receberem atendimento médico", explica Gabriela Soares Portela, coordenadora da área técnica de urgência e emergência da Secretaria de Saúde de Rio Preto, que está no Rio orientando as autoridades da cidade sobre o sistema de atendimento.

Segundo Gabriela, os enfermeiros preencherão um protocolo com a história clínica do paciente que será entregue ao médico. "Quando o médico receber o paciente, ele já terá em mãos o resultado do hemograma e o histórico do paciente, reduzindo o tempo de consulta", afirma Gabriela.

Atualmente, o doente com dengue chega às unidades de saúde do Rio e é obrigado a esperar horas para o atendimento. Primeiro passa por atendimento médico, onde é feito o hemograma e depois é obrigado a retornar ao médico para o diagnóstico final e indicação de tratamento. "Aqui nenhum enfermeiro atende o paciente", diz Gabriela.

A intenção é de que os doentes com menor grau da doença (verdes) possam ser medicados pelos enfermeiros e mandados de volta para casa, para retornar ao médico somente em 24 horas, no entanto, no Rio, é possível que ele fique para ser atendido no mesmo dia. Em Rio Preto, o sistema conseguiu reduzir o tempo de espera na fila de três horas para 30 minutos. No Rio, a previsão é de que o novo sistema de atendimento comece a funcionar a partir de amanhã. "Vai depender da disponibilidade de pessoal para capacitação dos grupos de enfermeiros", disse Gabriela.

O modelo de pronto-atendimento foi sugerido às autoridades do Rio pelo Ministério da Saúde, depois que foi exposto num congresso que reuniu secretários municipais de saúde do Estado de São Paulo. Em Rio Preto, ele conseguiu controlar uma epidemia que no primeiro trimestre do ano passado contaminou 9.345 pessoas. Neste ano, há apenas 35 doentes.