Alerj cassa dois e absolve três deputados por suspeita de fraude

Marcello Victor, JB Online

RIO - A Alerj encerrou agora a pouco, a útlima votação pela cassação dos cinco deputados estaduais acusados de suposto envolvimento na participação do esquema de fraudes do auxílio-educação. Renata do Posto (PTB) e Jane Cozzolino (PTC) perderam o mandato; Tucalo Dias (PSC) e João Peixoto (PSDC) permanecem na Casa, e Edino Fonseca (PR) não foi punido com a suspensão do cargo por 90 dias.

A série de sessões extraordinária convocadas pela Alerj teve início pela manhã. A deputada Jane Cozzolino perdeu o mandato com a soma de 48 votos a favor, 15 contra e cinco abstenções. A parlamentar chegou a chorar no plenário. Ela afirmou que vai recorrer da decisão. No fim da tarde, nova derrota foi imposta a ala feminina da Alerj. Dos 69 que votaram, 50 decidiram pela cassação de Renata do Posto, 11 foram contra e seis se abstiveram.

Já no começo da noite, o deputado Tucalo Dias se livrou do pedido de cassação. Ele teve 30 votos contra a solicitação do Conselho de Ética da Alerj. Foram 24 votos a favor da perda e 12 abstenções. João Peixoto conseguiu manter o mandato, obtendo 44 votos a 15 contra a perda do mandato. Seis parlamentares se abstiveram. Na útima sessão, que decidiria sua suspensão do cargo por 90 dias, Edino Fonseca foi absolvido por 34 votos a 15, e seis abstenções.

O suposto esquema de fraudes do auílio-educação, que forçou o pedido de cassação dos deputados pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, paga R$ 450 por filho de funcionário matriculado em escola particular. O desvio do dinheiro seria feito através da contratação de funcionários fantasmas. Todos envolvidos negam as acusações.