Estudante morto durante ditadura militar recebe homenagem no Rio

Agência Brasil

RIO - O ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, participa nesta sexta-feira, às 11h, na Praça Ana Amélia, entre a Avenida Churchill e a Rua Santa Luzia, no Rio, da inauguração de uma escultura em homenagem ao estudante Edson Luis Lima Souto, morto pela ditadura militar em 28 de março de 1968, e a todos os que lutaram pela democracia no Brasil. A cerimônia marca os 40 anos da morte do estudante.

O evento será realizado no auditório da Casa do Estudante do Brasil, que fica em frente à praça. A mãe de Edson Luis, Maria de Belém Souto Rocha, participa da homenagem.

Após a inauguração da escultura, está prevista uma passeata até o terreno da sede da União Nacional dos Estudantes (UNE), no Aterro do Flamengo, onde será aberta a exposição fotográfica Direito à Memória e à Verdade - a Ditadura no Brasil 1964 - 1985.

Também está programada para o meio-dia a saída de uma passeata da Candelária, percorrendo a avenida Rio Branco.

A morte do estudante secundarista Edson Luis ficou como um marco das mobilizações estudantis de 1968. Com 18 anos, ele foi morto com um tiro no peito, disparado à queima-roupa por um tenente da Polícia Militar, no Restaurante Calabouço.