Operação Ancião da Polícia Federal prende 13 acusados no Rio

JB Online

RIO - A Polícia Federal de Niterói prendeu 13 pessoas em operação deflagrada na madrugada desta terça-feira (25). A Operação Ancião contou com 130 agentes e teve como objetivo desarticular fraudes contra o Programa de Integração Social (PIS) da Caixa Econômica Federal (CEF). A fraude começou a ser investigada pela Polícia Federal há dois anos.

Foram expedidos 15 mandados de prisão temporária e 20 mandados de busca e apreensão, cumpridos em Cachambi, Nova Iguaçu, Mesquita, Caxias, Jacarepaguá e Méier. Até o momento, 13 pessoas foram presas, entre elas, três funcionários da caixa econômica federal (CEF) e um oficial de justiça do tribunal do Rio de Janeiro.

Segundo o coordenador da operação, o delegado, Victor Poubel, a maior parte dos envolvidos seriam do Rio de Janeiro. Cerca de um milhão de reais foram desviados de contas de idosos com mais de 70 anos (aposentados), outros que já haviam falecido ou pessoas que desconheciam a existência do PIS, ou seja, somente contas sem movimentação.

Segundo as investigações, os funcionários da CEF entravam em contato com estelionatários que providenciavam documentos falsos com nome dos titulares das contas do PIS. Pessoas idosas se passavam pelos titulares do benefício e, depois, repartiam o dinheiro do saque irregular com os demais integrantes do bando.

Cada saque da quadrilha variava entre cinco e vinte mil reais. Armando Pereira, oficial de Justiça é apontado como um dos chefes da quadrilha. Almir Teixeira, Cleuza Ferreira e Marcos Gentil, que trabalham na CEF, são acusados de autorizar a retirada do dinheiro.

Os acusados estão com prisão temporária decretada e vão responder por crimes de formação de quadrilha, falsidade ideológica, entre outros. Cada um pode pegar até 30 anos de prisão. Os presos foram levados para a Delegacia da Polícia Federal de Niterói. A Caixa Econômica Federal informou que os beneficiários do PIS serão ressarcidos.