Rio na Luta contra a dengue

JB Online

RIO - As estratégias de combate ao mosquito da dengue no município do Rio de Janeiro serão abordadas e discutidas nesta semana. Nesta segunda-feira, dia 17, cerca de 500 armadilhas contra a dengue serão distribuídas gratuitamente na Escola Santa Bárbara, em Campo Grande, Zona Oeste do Rio. Já na terça-feira, o programa Rio, a Cidade! abordará os meios de se prevenir a doença. A edição vai ao ar, ao vivo, às 14h30, na BandRio. Ainda no programa, serão apresentadas peças de campanha contra a dengue que a MULTIRIO veicula na sua programação.

As Armadilhas contra a dengue e seu funcionamento

As armadilhas contra a dengue, que serão distribuídas nesta segunda em Campo Grande, foram batizadas de Sem Dengue . Antes da distribuição da armadilha, os estudantes terão uma aula para aprenderem a usar o produto. A Sem Dengue consiste em um pote plástico transparente, onde é colocada água, e uma tampa escura com trava, com pequenos orifícios.

A água limpa atrai os mosquitos para a colocação de ovos. Estes, como pesam, descem pela tampa e, através dos orifícios, atingem o fundo do pote transparente.

Após alguns dias, esses ovos se transformam em larvas que não conseguem atingir a superfície da água, porque a tampa impede a passagem. Quando está nesse estágio, ou Usuário deve colocar água sanitária ou água fervendo e ali deixar por cerca de15 minutos, que é tempo suficiente para as larvas morrerem. Após isso, deve-se jogar a água fora e lavar a arma.

A Sem Dengue levou quatro anos para ser desenvolvida e já foi avalizada pela Gerência de Pesquisas Aplicadas da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, e da Coordenação de Vigilância Ambiental da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. A WS Moldes,fabricante do produto, já investiu 200 mil reais no desenvolvimento da armadilha.

Somente este ano a doença já matou mais de 30 pessoas no Rio de Janeiro.