Secretaria de Saúde investiga dois casos de dengue em recém-nascidos

Ana Luisa Marzano, Agência Brasil

RIO - A Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro investiga dois casos de suspeita de dengue em recém-nascidos no estado. A primeira comunicação à secretaria foi o caso de um bebê que estava internado no Instituto Fernandes Figueira, em Botafogo, Zona Sul do Rio, com sintomas da dengue. A mãe teria transmitido o vírus durante a gravidez.

Em Angra dos Reis, no litoral Sul Fluminense, João Pedro Rodrigues de Oliveira, nascido há apenas 15 dias, apresentou sintomas da doença. A Secretaria do município também investiga o caso. O bebê já está fora de perigo, segundo os médicos. Se a dengue for confirmada, é provável que a mãe tenha contaminado o filho, já que ela teve a doença há pouco tempo.

Angra dos Reis é um dos municípios com maior incidência da doença no estado do Rio, onde foram confirmados 1.210 casos e uma morte. O Ministério da Saúde divulgou em nota oficial nesta quarta-feira que acompanha as investigações e que a transmissão vertical, ou seja de mãe para filho, é rara.

O superintendente em Saúde da Secretaria de Saúde do Rio, Vitor Berbara, aconselhou que todas as pessoas fiquem atentas aos sintomas, mas disse que não há necessidade das gestantes fazerem teste para saber se estão com a dengue.

- O importante é que as pessoas estejam atentas aos sintomas da doença, como manchas na pele, dores no corpo e febre, e procurem assim que notarem essas alterações o serviço médico mais próximo. É importante também que se diga que não há necessidade das gestantes no final da gravidez fazerem exames para saber se estão ou não com a dengue.

Nesta sexta-feira foi confirmada a 20ª morte na capital neste ano. Um menino de 6 anos, morador de Senador Câmara, morreu no domingo de dengue hemorrágica.

No município do Rio, mais de 17 mil pessoas foram contaminadas desde janeiro pelo vírus. Em todo o estado, são mais de 23.200 casos, com 34 mortes confirmadas.