Convênio garante água tratada para o Complexo Petroquímico e favelas

JB Online

RIO - O fornecimento de água tratada para as obras de implantação do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj) e das comunidades, que ficam próximas ao empreendimento está garantida por intermédio de um convênio assinado nesta sexta-feira entre a Cedae e a Petrobrás. Serão 50 litros por segundo para o complexo e mais 50 litros por segundo para favelas.

O convênio custará cerca de R$ 30 milhões e prevê a construção de mais uma Estação de Tratamento de Água (ETA) em Porto das Caixas, ao lado da existente, para aumentar a produção de água em 100 litros por segundo na região; a construção de um reservatório com capacidade para armazenar 200 mil litros de água; a reativação de uma elevatória de água bruta; e a construção de uma adutora de água bruta, de aproximadamente oito mil metros de extensão, as duas últimas com a finalidade de captar água no Canal de Imunana para ser tratada pela ETA de Porto das Caixas. Depois de tratada pela estação, a água será bombeada por uma elevatória e transportada por uma adutora até o Comperj. Segundo o governador em exercício Luiz Fernando Pezão, a região deverá sofrer aumento populacional e de instalação de empresas em função do projeto da Petrobras e do Arco Metropolitano, que também começará a ser implantado este ano.