OAB/RJ condena operação da PM que resultou na morte de menina

JB Online

RIO - A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio condenou hoje a ação policial que resultou na morte da menina Lorraine Tavares Ferreira, de 10 anos, feriu Karina Medeiros Silva, de 8, e Paula Araújo, de 14, enquanto brincavam na Vila Cruzeiro. Dois adultos também foram baleados. A presidente da comissão, Margarida Pressburger, disse que a OAB "exige a apuração rigorosa" da conduta dos policiais do 16º Batalhão que, segundo moradores, entraram na favela atirando pouco depois das 21h de quinta-feira, quando pessoas ainda retornavam do trabalho e havia crianças nas ruas.

- Não é possível que continuem essas operações sem inteligência, que matam inocentes e não prendem criminosos - afirmou Margarida Pressburger.

A Comissão oficiará ao comando do batalhão pedindo explicações sobre a operação e oferecerá orientação jurídica às famílias das vítimas. A técnica de enfermagem Teresa Cristina de Amorim Santiago, do Hospital Getúlio Vargas, também foi atingida nos braços e no peito por disparos, e um rapaz, Wallace Oliveira, por um tiro na perna segundo informações divulgadas hoje. A política de confronto adotada pela polícia já deixou mais 60 mortos na área do Complexo do Alemão, muitos sem qualquer ligação com criminosos.