Presidente da Mangueira nega existência de passagem secreta para fuga

JB Online

RIO - A direção da escola de samba Mangueira abriu as portas da quadra da escola para os jornalistas, na tarde desta quarta-feira. Em entrevista coletiva, a Eli gonçalves, a Chininha, presidente da agremiação, negou que houvesse uma passagem secreta em um dos camarotes da quadra da escola que servisse para a fuga de bandidos.

A acusação foi feita pela Polícia Civil, nesta terça-feira, após uma megaoperação envolvendo 280 agentes, no Morro da Mangueira, onde está localizada a quadra da verde-e-rosa.

O local seria utilizado por Francisco Testas Monteiro, o Tuchinha, para a comercialização de drogas. Ele cumpriu pena por tráfico de drogas e é um dos compositores do samba que a escola levará para a venida no desfile deste ano, assinando como Francisco do Pagode. A Justiça expediu um mandado de prisão contra ele.

A acusação sobre a passagem secreta foi negada por Chininha. Segundo ela, a passagem existente em um dos camarotes dá acesso as caixas d´água da escola e não para o morro. a polícia suspeita que uma casa embaixo do camarote da bateria e que dá acesso ao morro era usada por traficantes para entrar e sair do local em dias de ensaio.

Foram apreendidos na ação desta terça-feira uma tonelada de maconha. Sete pessoas foram presas e uma forteleza com vista para Avenida Marechal Rondon e a Rua Visconde de Niterói foi estourada. A proteção tinha um muro de 15 metros, construído com concreto e malha de ferro. Um cemitério clandestino também foi encontrado.