Cabral solta o verbo contra chefe do Denatran e critica OAB

Gabriela Lapagesse, JB Online

RIO - O governador Sérgio Cabral demonstrou toda a sua irritação, na manhã desta quarta-feira, quando chamou o chefe do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Alfredo Peres, de burocrata de plantão na solenidade de formatura dos 238 inspetores da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), no auditório do Teatro João Caetano, na Praça Tiradentes.

Irritado com a não aprovação pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pelo chefe do Denatran da proposta sugerida por ele para proibir que motociclistas levem passageiros nas garupas, na tentativa de diminuir o número de assaltos em todo o estado, Cabral questionou a centralização da legislação.

- O Brasil é uma República Federativa. Como tal, deveria ter legislações estaduais. Quando se fala de trânsito então, a discussão chega a ser ridícula. O trânsito no Rio e de São Paulo têm a mesma legislação de Rondônia. Como pode isso? enfatiza o governador.

Na última terça-feira, o chefe do Denatran, Alfredo Peres, disse que era competência da União avaliar a proposta de Cabral e que, mesmo antes disso, era necessária uma reforma no Código de Trânsito Brasileiro. Já a OAB disse que era inconstitucional a proposta do governador.

Até o momento, a assessoria de imprensa da OAB afirmou que não vai se pronunciar sobre as críticas do governador. A resposta foi a mesma, até o momento, da Denatran.

A respeito dos confrontos no entre polícia e traficantes na Mangueira, o governador foi enfático.

- Sou contra os confrontos, mas quando eles se fazem necessários, a polícia tem, sim, que responder à altura. Os bandidos precisam saber que não são os donos do pedaço disse.

Quando questionado sobre o aumento de mortos nos confrontos, nova irritação.

- Ao invés de me perguntarem sobre o número de mortos nos confrontos, deveriam se perguntar como estão agora as famílias do menino João Hélio e do Lídio Toledo Filho. Eles estão sofrendo com a violência. Temos que combatê-la. afirmou o governador em meio ao corre-corre para o início do evento.