Acusados de golpe do título supervalorizado têm bens bloqueados

Agência JB

RIO -

O juiz da 25ª Vara Criminal do Rio, Alexandre Abrahão Dias Teixeira, deferiu duas liminares para determinar o bloqueio e indisponibilidade dos bens de 14 acusados de integrar duas quadrilhas que aplicam o golpe do supertítulo valorizado, cujas principais vítimas são idosos. Foi determinada ainda a quebra dos sigilos bancário e fiscal e de informações do Detran, Registro Geral de Imóveis, Receita Federal, Comissão de Valores Mobiliários e Operadoras de Cartão de Crédito. Todos os réus respondem por estelionato e formação de quadrilha.

Em agosto de 2005, uma das vítimas do golpe recebeu um telefonema convidando-a para uma reunião para negociar antigos títulos de sua propriedade. No local foi informada de que seus títulos dariam direito a bonificações. Assim, ela foi convencida a fazer a negociação, sendo cobrado dela o valor de R$ 3.380,00 a título de registro em cartório.

Depois, a vítima recebeu sucessivos telefonemas cobrando outros valores, que totalizaram R$ 9.900,00. Os acusados, Nadjane Pereira de Barros, Paulo Sérgio Valentim de Carvalho, Leonardo Gomes Coutinho e Edner Fernando Tavares, são sócios da Liberty, que integra os grupos das empresas American Tour e da Férias Card, já foram denunciados em diversos registros formulados por pessoas enganadas nos mesmos golpes.

O mesmo ocorreu em janeiro de 2006 com um casal de idosos de 77 anos, que recebeu um telefonema de uma pessoa que dizia representar a empresa Férias Card Clube de Turismo e Lazer, convidando os dois para uma reunião. No mesmo dia, cobraram do casal o valor de R$ 63.870,00 e, nos meses seguintes, foram cobrados outros valores, totalizando R$ 246.670,00.

Respondem por este caso Paulo Roberto Mendes de Moraes, Giovana de Souza Almeida, Mário Eduardo do Nascimento, André Luiz Xavier da Silva, Priscila Mendes Moraes Nunes, José Ednaldo Mendes Júnior, Luzia Maria Câmara, Maria Amélia de Souza Almeida, Luiz Guilherme Oliveira Souza e Jorge Luiz Cabral de Oliveira, da Cooperativa Central de Corretores de Títulos de Clubes, integrando a Diretoria e o Conselho da Unamar Clube Hotéis e Colônia de Férias.

- São muitas vítimas não só nestes autos, como também em inúmeros outros que tramitam em juízos diversos, destacando-se que a postura adotada pelos envolvidos e a forma como se organizaram, nestas fraudes que ficaram conhecidas como 'golpe do título supervalorizado', demonstra uma agilidade na manipulação dos valores absorvidos com as mecânicas ilícitas que dificilmente permitirá resgate pleno e/ou significativo dos retirados do patrimônio dos lesados. A própria estrutura operacional montada pelos acusados demonstra que suas vidas estavam, como continuam, voltadas para a desenvoltura da 'empresa' montada para amealhar 'clientes' e ampliar o recolhimento os valores ilícitos em prol dos seus intentos criminosos , afirmou o juiz na decisão.