Jornal do Brasil

Rio - Niterói

Niterói inaugura o terceiro estabelecimento do projeto Escolas Criativas

São três frentes: inovação na educação,eficiência energética e programação e acesso cultural.

Jornal do Brasil

  O  objetivo do projeto Escolas Criativas é transformar cada estabelecimento em Centro de Ensino Avançado, mediante projeto de arquitetura contemporânea voltado para ampliar as possibilidades de ocupação dos espaços da escola. A intenção é tornar a educação compatível com as novas demandas de ensino do século XXI, atuando em três frentes: inovação na educação; eficiência energética; programação e acesso cultural.

O projeto é patrocinado pela Enel Distribuição Rio -  empresa distribuidora de energia elétrica que desenvolve um programa de Eficiência Energética - pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, pela Secretaria de Estado de Cultura e Lei Estadual de Incentivo à Cultura. O projeto conta ainda com o apoio da Prefeitura Municipal de Niterói, da Secretaria Municipal de Educação de Niterói, da Fundação de Artes de Niterói e é uma realização da agência Quitanda das Artes.

Nesta terça(30)o projeto será implantado na Escola Municipal Santos Dumont. Na semana passada, a festa aconteceu na Escola Municipal Maestro Heitor Villa Lobos. No início do mês , foi contemplada  a Escola Municipal Francisco Portugal Neves.

 As três receberam um cineclube educativo, um auditório multifuncional, um centro de pesquisa com equipamentos eletrônicos de última geração, espaços que possibilitam a aplicação dos princípios do movimento maker na educação, espaços de convivência e de troca de experiências, programação artística, além de cursos de formação para alunos e professores na área criativa.

Eficiência energética

Aplicado em toda a escola, o projeto de eficiência energética consiste na instalação de placas solares para geração de energia renovável e na substituição de equipamentos por dispositivos que gastem menos energia (lâmpadas de led e novos aparelhos de ar condicionado, por exemplo). Cada escola terá um totem que vai exibir todo o gasto energético de forma detalhada, com expectativa de economia de 30 a 40%.

A educação ambiental também vai fazer parte das aulas, a fim de garantir novas perspectivas na formação dos educandos, além de sua atuação ética e sustentável.

 O projeto conta, ainda, com a criação de espaços de disseminação da cultura digital, além de uma plataforma colaborativa para que os professores da Rede Municipal possam produzir e compartilhar conteúdos didáticos. Desta forma, o material de consulta dos alunos é ampliado. A formação será complementada com uma programação cultural semanal realizada em parceria com a Fundação de Artes de Niterói, que vai incluir peças, apresentações de dança, música e filmes seguidos de debates.

O pedagogo, gestor cultural e co-autor do projeto, Mardônio Barros, acredita que "é importante entender que os principais recursos da educação são as pessoas, com seus saberes e potenciais. Partimos dos potenciais locais para gerar um novo modelo escolar que atenda às demandas do século XXI".

Marcia Massotti, diretora de sustentabilidade da Enel no Brasil, diz acreditar na educação como "parte do processo de inclusão e socialização, com um grande potencial para contribuir com o desenvolvimento das crianças. Esse projeto apoia o ODS4, um dos 4 compromissos assumidos pela Enel na Agenda 2030 das Nações Unidas, que assegura a educação inclusiva e de qualidade e pretende dar oportunidades de aprendizagem ao mundo".

O projeto tem planos de expansão e está em estudo para a implantação em escolas públicas do estado do Rio e de outras cidades do país, como Jericoacoara, no Ceará.



Recomendadas para você