Crivella na campanha eleitoral: ‘o Eduardo Paes vai ser preso, não vote nele’

PREFEITO DO RIO FOI LEVADO DE CASA PELA POLÍCIA CIVIL, NESTA MANHÃ, INVESTIGADO NO SUPOSTO 'QG DA PROPINA'

Tânia Rego
Credit...Tânia Rego

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, e o empresário Rafael Alves foram presos na manhã desta terça-feira (22), durante uma operação da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ).

A ação faz parte de um desdobramento da Operação Hades, que investiga um suposto "QG da Propina" na Prefeitura do Rio.

As investigações sugerem que as empresas que tinham dinheiro para receber do município ou interesse em obter novos contratos entregariam cheques a Rafael Alves, irmão de Marcelo Alves.

Além do prefeito e do empresário, o ex-senador Eduardo Lopes e o delegado Fernando Moraes também são alvos da operação.

Buscas também estão sendo realizadas no Porto do Frade, em Angra dos Reis, para apreender uma lancha de 77 pés do empresário Rafael Alves. 

Há ainda um mandado de prisão contra o ex-senador Eduardo Lopes, mas ele não foi encontrado em casa e deve se apresentar à polícia em Belém, no Pará, onde mora atualmente. A Polícia ainda cumpre um mandado de busca e apreensão em Angra dos Reis para procurar por uma lancha de Alves.

Ao chegar na Cidade da Polícia, o prefeito afirmou que é vítima de "perseguição política" e que vai lutar por "justiça". "Lutei contra o pedágio ilegal, tirei recursos do carnaval, negociei o VLT, fui o governo que mais atuou contra a corrupção no Rio de Janeiro", afirmou enquanto era levado para o interior do prédio.

A ação foi iniciada com uma delação premiada do doleiro Sérgio Mizrahy, em 2018, ainda durante a Lava Jato no Rio de Janeiro. Segundo as afirmações do doleiro, as empresas interessadas em trabalhar para a Prefeitura pagavam propina para Alves, que também repassava o dinheiro para os demais detidos.

Em setembro, o prefeito já era alvo da operação e seu celular e um pendrive foram apreendidos para buscar provas sobre irregularidades em contratos firmados pelo Executivo municipal.

A prisão de Crivella ocorre a nove dias dele deixar o mandato, após perder as eleições de novembro para Eduardo Paes. (com agências Ansa e Sputnik Brasil)