Jornal do Brasil

Rio

Campanha destaca os riscos do comércio de cigarros ilegais para varejistas e a toda a população

Jornal do Brasil REDAÇÃO JB, redacao@jb.com.br

O Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP) lançou campanha sobre comércio ilegal de cigarros. No Rio de Janeiro, 82% do volume destes produtos ilícitos são vendidos no varejo formal (padarias, bares, mercearias e pequenos mercados), e não apenas por ambulantes. Quarenta e um por cento de todos os cigarros comercializados são ilegais, segundo pesquisa do Ibope.

Para evidenciar aos comerciantes e a toda população os riscos e as punições relacionados à compra e venda de cigarros contrabandeados, o FNCP quer conscientizar a comunidade. No total, cerca de 150 mil varejistas serão impactados diretamente com o material informativo, sendo que em São Paulo também haverá conteúdo com o apoio do Fórum em jornais populares e spot em rádios.

Os materiais informativos destacam a intensificação das operações policiais para reprimir o contrabando, com exemplos específicos de ações de fiscalização e repressão em varejos que vendem produtos ilegais - no caso dos cigarros, as principais marcas irregulares são Eight, Gift, San Marino, Classic, Fox.

A campanha ainda reforça as punições aos donos dos estabelecimentos que venderem cigarros abaixo de R$ 5,00 (preço mínimo definido por Lei): prisão, fechamento do comércio, proibição de venda de cigarros por até 5 anos e apreensão dos produtos.

O material informativo contém um QR Code direcionado para a lista de 90 marcas irregulares presentes em um alerta emitido pela Anvisa, além de destacar as principais marcas do contrabando. No Rio de Janeiro, a marca ilegal GIFT é líder de todo o mercado, com 28% de participação. Além desta, mais duas marcas ilegais estão no ranking das dez mais vendidas: Gift (nacional ilegal) e Club One

"Os cigarros ilegais não seguem nenhuma regulamentação, não possuem registro na Anvisa e não pagam impostos, o que significa dizer que hoje mais da metade do mercado está fora da lei", diz Edson Vismona, presidente do ETCO. "É muito importante que consumidor e varejista também façam a sua parte denunciando essas marcas à ANVISA no número 0800 642 9782 ou pela Ouvidoria da entidade", relembra.

SERVIÇO: Em caso de denúncias, o consumidor pode procurar a Anvisa no número 0800 642 9782 ou pela Ouvidoria da Anvisa neste LINK.