Rio

Quando a beleza se torna perigosa

Cabeça d'agua causou tragédia domingo no Rio Campo Belo

O que era para ser uma refrescante tarde de domingo à beira do Rio Campo Belo, em área conhecida como Paraíso Perdido, a cerca de 1 km do Parque Nacional de Itatiaia – o primeiro do país, criado em 1937 -, acabou, porém, em tragédia. Até a manhã de ontem, havia sido resgatado o corpo de Júlia Machado Miranda, 18 anos, que, como José Higino Soares, 55 anos - encontrado no próprio domingo -, foram arrastados pela cabeça d’água que em poucos minutos elevou em cerca de 3 metros a altura do córrego.

Até ontem não havia informações sobre o velório ou o enterro das vítimas, encaminhadas ao Instituto Médico Legal (IML). Em nota, a prefeitura disse que se solidariza com os familiares neste momento de perda e dor, e dispõe no local de uma equipe da Guarda Municipal e Defesa Civil para informações. Uma psicóloga do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) também permaneceu no local, dando suporte aos familiares que acompanhavam as buscas.

Macaque in the trees
Nascente do Rio Campo Belo, onde houve a tragédia, no Maciço de Itatiaia. O rio corta o Parque Nacional de Itatiaia (Foto: Wikimidia Commons; Reprodução Arquivo Pessoal)

Conforme o dentista Cristiano Gjorup, 60 anos, cujo pai comprou uma propriedade em 1954 próxima ao local onde ocorreu a cabeça d´água, este tipo de fenômeno costuma acontecer todos os verões. “No próprio sábado, véspera da tragédia, soube que um guarda tentou salvar uma criança que se afogava e ambos morreram. Domingo voltei para o Rio por volta das 18h e peguei o temporal na Baixada Fluminense. Já vi situações em que o rio subiu ainda mais. Vem muita gente de Barra Mansa e Volta Redonda, sem que haja qualquer fiscalização. Deveriam instalar uma sirene para alertar as pessoas, eu mesmo quando tomo banho no rio fico sempre atento à marca d’água”, relatou.

Macaque in the trees
O corpo de Julia Machado Miranda foi encontrado depois do Paraíso Perdido (Foto: Wikimidia Commons; Reprodução Arquivo Pessoal)

Este tipo de fenômeno ocorre quando há uma súbita e intensa precipitação na cabeceira do rio, de forma que o volume desce com rapidez e as pessoas que tomam banho nos trechos abaixo não têm sequer tempo de se defender da súbita enxurrada, como ocorreu no domingo, quando choveu forte por duas horas consecutivas na região.

Embora existam placas alertando sobre a existência deste tipo de fenômeno em alguns pontos do Campo Belo, não há nenhum dispositivo sonoro que avise a sua chegada. Domingo, a Polícia Militar informou sobre o desaparecimento de oito pessoas, e tanto o Corpo de Bombeiros quanto a Defesa Civil continuam as buscas.

O Rio Campo Belo nasce no Maciço de Itatiaia e desemboca no Rio Paraíba do Sul, sua bacia ocupa uma área de 90 km². As águas cristalinas que cortam o parque proporcionam alguns de seus mais importantes pontos turísticos, como a Lagoa Azul, formada por suas águas, e a Cachoeira Poranga, com uma queda de 10m de altura que forma uma piscina natural no rio.



O corpo de Julia Machado Miranda foi encontrado depois do Paraíso Perdido
Nascente do Rio Campo Belo, onde houve a tragédia, no Maciço de Itatiaia. O rio corta o Parque Nacional de Itatiaia