Jornal do Brasil

Rio

Esquema de deputados fez da Alerj uma 'propinolândia', afirma procurador

Chiquinho da Mangueira foi um dos dez deputados presos. Esquema movimentou R$ 54 milhões

Jornal do Brasil

O esquema de corrupção investigado na Operação Furna da Onça, e que envolve pelo menos dez dos 70 deputados da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), movimentou R$ 54,5 milhões em pagamentos de propinas durante o segundo mandato do ex-governador Sergio Cabral (MDB), entre 2011 e 2014, informaram a Procuradoria da República e a Polícia Federal nesta quinta-feira, 9.

Os dez deputados que tiveram a prisão decretada foram os seguintes: André Correa (DEM), Edson Albertassi (MDB, nova ordem de prisão), Chiquinho da Mangueira (PSC), Coronel Jairo (MDB), Jorge Picciani (MDB, nova prisão, continuando em domiciliar), Luiz Martins (PDT), Marcelo Simão (PP), Marcos Abrahão (Avante), Marcus Vinícius "Neskau" (PTB) e Paulo Melo (MDB, nova prisão).

Foram detectados loteamentos de cargos principalmente do Detran do Rio - o deputado Paulo Melo (MDB) tinha tanto domínio no órgão que era considerado "o rei do Detran".

Os "mensalinhos" ficavam entre R$ 20 mil e R$ 900 mil - o maior valor foi detectado no caso de Paulo Melo. Os investigadores acreditam que este era tão alto porque ele redistribuiria pagamentos para outros deputados.

Macaque in the trees
O deputado estadual Chiquinho da Mangueira (PSC) chega na Superintendência da Polícia Federal na Região Portuária do Rio (Foto: Estefan Radovicz/AE)

A distribuição de cargos entre pessoas indicadas pelos parlamentares demonstrou, segundo o procurador da República Carlos Aguiar, que "esses personagens lotearam o Estado do Rio, transformaram o Estado em fatias de bolo para viabilizar seus interesses políticos. "Não por acaso temos corrupção em diversas agências do Detran. A Alerj se transformou numa propinolândia", disse Aguiar, ao explicar os mecanismos do esquema.

As investigações apontaram também que o deputado Chiquinho da Mangueira (PSC) usou dinheiro de corrupção para custear carnaval da sua escola de samba, num total de R$ 3 milhões em 2014 - ele é presidente da Mangueira.

O procurador Carlos Aguiar explicou que dessa vez as prisões de deputados não serão submetidas ao plenário da Alerj - no ano passado, quando foram presos Melo, Jorge Picciani (MDB) e Edson Albertassi (MDB), as prisões foram revertidas por votação da Casa. Posteriormente eles foram detidos novamente.

Dos 22 mandados expedidos nesta quinta, só dois não foram cumpridos, contra o ex-presidente do Detran Vinicius Farah, deputado federal recém-eleito pelo MDB, e o atual presidente, Leonardo Jacob - eles são considerados foragidos, segundo a PF.

Com Estadão



Recomendadas para você