Jornal do Brasil

Rio

Coordenação do Santo Agostinho cede à pressão e retira livro sobre ditadura da lista de leituras do 6º ano

Jornal do Brasil MARIA LUISA DE MELO, malu@jb.com.br

Censura provocada pelo radicalismo. Foi assim que pais, alunos e ex-alunos do Colégio Santo Agostinho, do Leblon, classificaram a decisão da escola de excluir da lista de leituras dos alunos do 6º ano do Ensino Fundamental o livro “Meninos sem Pátria”, de Luiz Puntel, por pressão de um grupo de pais. Publicado em 1981 e já na 23ª edição, o romance juvenil conta a história de um garoto do interior de São Paulo que vai viver no exílio com a família, depois que o pai, jornalista, passa a ser perseguido pela ditadura militar de 1964.

Macaque in the trees
Saída do Santo Agostinho, no Leblon (Foto: José Peres)

Segundo a estudante Maria Clara Nakamura, de 16 anos, a obra era adotada no colégio há, pelo menos, seis anos e ainda não havia sido alvo de tanta polêmica. “Usei esse livro, que é excelente, no sexto e no sétimo anos. Essa postura radical dos pais nos deixa revoltados, porque eles não percebem que estão prejudicando seus próprios filhos. E trata-se de um grupo pequeno de pais que reclamou. Tenho certeza de que esses que acusaram a escola de doutrinação nunca leram o livro”, critica.

Também aluna do 2º ano do Ensino Médio, Maria Eduarda Veras, de 17 anos, conta que os colegas já estão organizando um ato de repúdio à decisão da coordenação do colégio e cobrando mais diálogo com a comunidade escolar. “É uma completa censura. As coisas precisam de um pouco mais de discussão. Simplesmente, um grupo de pais foi atendido, e pronto. Faltou diálogo. E o livro já é usado nessa e em outras escolas há muito tempo. Por que o problema só teria surgido agora?”, questiona.

Macaque in the trees
Coordenação do colégio decidiu retirar livro "Meninos sem pátria", de Luiz Puntelda lista de leituras da turma do 6º ano (Foto: José Peres)

Mãe da aluna Maria Clara Nakamura, Ayllen Moreno, de 49 anos, credita a censura e o radicalismo aos pais que reclamaram da obra, e não à unidade de educação. “Os verdadeiros censores são os pais que são extremamente radicais. São os pais do mimimi. A ditadura militar, tratada pelo livro, foi um fato muito importante da história do país. Não pode ser negligenciada. O colégio sucumbiu a um grupo, que quer impedir seus filhos de ter contato com a História do Brasil, por conta de suas posições extremadas”, avaliou a advogada.

Para a aluna Sofia Moreno, do 3º ano, a rejeição dos pais à obra se deu por conta do momento político polarizado no país. “Os pais se sentiram incomodados por conta do momento político. A acusação de doutrinação comunista está completamente equivocada, porque o livro só narra os fatos. Essa exigência de retirada do livro do currículo só traduz o momento que estamos vivendo no Brasil. É um radicalismo provocado pela falta de diálogo”, opina.

Ex-aluno da unidade Barra da Tijuca, Robson Câmara disse que não se surpreendeu com a atitude do colégio. “No meu terceiro ano do segundo grau [hoje, 3º ano do Ensino Médio], alguns pais de alunos impediram que três livros fossem obrigatórios na aula de Literatura, porque não eram importantes para o vestibular. Um [dos títulos] era de Clarice Lispector. Foi a primeira vez que a li e foi uma experiência essencial na minha formação”, relembra.

A polêmica começou na segunda-feira, quando administradores da página “Ipanema Alerta” — cuja imagem de capa no Facebook traz uma propaganda eleitoral de Jair Bolsonaro e Flávio Bolsonaro, candidatos do PSL à Presidência da República e ao Senado — publicaram um post com o título “Colégio Santo Agostino - Leblon é acusado de doutrinar crianças do sexto ano (11 e 12 anos) com ideologia comunista em sala de aula” e um texto apócrifo que dizia: “Bom dia. Os pais do 6º ano do CSA estão indignados com o livro que a escola mandou ler no 4º bimestre. Meninos Sem Pátria conta a história de um jornalista que vive exilado com a família durante o regime militar e mediante a aventura, o livro critica governos militares enaltecendo a ótica de esquerda”. Apesar de alguns comentários favoráveis à postagem, a maioria a criticou com expressões como “as trevas voltaram” e “inquisição”.

Macaque in the trees
Livro foi retirado da lista de leitura depois que postagem publicada no Facebook, na página "Alerta Ipanema" "denunciando" adoção da obra que tem a ditadura militar como pano de fundo (Foto: Reprodução Internet)

Autor da obra alvo da polêmica, o escritor Luiz Puntel se disse surpreso com a decisão do colégio, já que a obra é adotada em diversas escolas. Ele também creditou a questão à polarização política. “Diante de tudo que estamos vivendo, as pessoas estão com os nervos à flor da pele”, avalia. “O livro tem 31 anos. Foi publicado quando ainda vivíamos a ditadura militar e sempre foi adotado nas escolas brasileiras. É o quarto mais vendido da Coleção Vaga-Lume [da Editora Ática]. Se o meu livro é uma apologia ao comunismo, então, “Dom Casmurro”, de Machado de Assim, é uma apologia à traição das mulheres? Não faz sentido”, compara.

Para Fernando Pena, professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, o caso é “resultado do momento em que vivemos”, mas não se deve “ao contexto eleitoral”. “Há um discurso reacionário e uma perseguição a tudo aquilo que envolva questões como as de gênero ou política. O que aconteceu no Santo Agostinho vem acontecendo em várias escolas do país”, diz. Segundo o educador, em Araraquara, no interior de São Paulo, uma professora que trabalhou a obra “Capitães da areia”, de Jorge Amado, em sala foi acusada de doutrinação. “Há um movimento reacionário que incentiva os pais a pressionarem as escolas”, diz. O JB não conseguiu contactar os pais que pressionaram a escola. Procurada, a coordenação do colégio não se manifestou.



Recomendadas para você