Jornal do Brasil

Rio

Lava Jato no Rio revela duas contas que giraram US$ 44 mi em cinco anos

Jornal do Brasil

A Operação Marakata, desdobramento da Lava Jato no Rio, deflagrada nesta terça, 4, encontrou indícios de contas internacionais movimentaram cerca de US$ 44 milhões. A ação da PF, da Receita e do Ministério Público Federal cumpriu cinco prisões preventivas e fazendo buscas e apreensões em endereços de nove pessoas e três empresas, contra um suposto esquema de comércio ilegal de esmeraldas e outras pedras preciosas e semipreciosas envolvendo evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

A operação da Força-tarefa Lava Jato/RJ é um desdobramento da Câmbio Desligo, que, segundo a Procuradoria do Rio, 'revelou a capilaridade da rede de negócios de Dario Messer, o "doleiro dos doleiros", cujo sistema paralelo de compensações conciliava interesses de clientes de doleiros distintos (transações eram feitas fora do alcance de autoridades, a fim de lavar rendimentos da corrupção, sonegação fiscal e outros crimes)'. O sistema foi exposto a partir da colaboração de dois doleiros que movimentaram mais de US$ 1,6 bilhão em contas de 3 mil offshores em 52 países.

Macaque in the trees
Agentes da Polícia Federal em frente ao apartamento de Daisy Tsezanas, no Leblon, Zona Sul do Rio, durante nova fase da Operação Lava Jato (Foto: Rommel Pinto/AE)

Entre os alvos da Operação Marakata investigados no sistema de câmbio ilegal comandado por Messer estão os sócios-administradores da Comércio de Pedras O S Ledo, Marcello Luiz Santos de Araujo e Daisy Balassa Tsezanas, que trabalham comprando esmeraldas e outras pedras de garimpos na Bahia e as exportam para empresários indianos usando notas fiscais e invoices falsos.

Segundo o MPF, A O S Ledo, comerciante de pedras preciosas, 'é investigada por ter status equiparado ao de doleiros que forneciam dólares no exterior para as operações de compensação paralela que vieram a público na Operação Câmbio Desligo'.

"Os dólares provinham de pagamentos "por fora" com a exportação de esmeraldas e outras pedras para empresas, principalmente da Índia e Hong Kong (como Golden Whell Impex, Gloria International Trading, Gemoro, Kge Rough Gems, Precious Gems, Akar Gems, Beads Paradise e Unique Gems). Parte dos valores era internalizado no país pelo sistema de dólar-cabo invertido e usado para pagamentos em reais, também "por fora", aos garimpeiros e atravessadores com os quais a O S Ledo negociava as pedras no mercado nacional", diz a Procuradoria.



Recomendadas para você