Velha Praça 15 resgata antguidades

-->TRADIÇÃO-->Evento que se r ealiza há 36 anos r eúne centenas de bar raqueir os e fr equentador es-->Rober ta Hoer tel-->Há 36 anos, todos os sábados, a ár ea embaixo do viaduto da P erimetr al dá lugar a uma das mais tr adicionais feir as de tr o - cas do país. É a F eir a do Rolo . No ambiente nostálgico da Pr a - ça 15 – a mais antiga da cidade – o local r ece be semanalmente centenas de curiosos e colecio - nador es em busca de lembr an - ças do passado e vislumbr ando um bom in v estimento . No início , o local a briga v a ape- nas encontr os entr e m or ador es dispostos a tr ocar objetos usados. O e v ento ganhou f ama e cr esceu. Pr ecisando de mais espaço e o r- ganização , deslocou-se da Pr aça 15. Hoje, a F eir a do Rolo já é consider ada a maior de antigui- dades da América Latina. O motorista de ônibus J or ge Gomes e seu amigo Cícer o S y- dr onio , que o digam. – F r equento essa feir a há mais de 10 anos, principalmente v e n- dendo peças de computador – r e - v ela J or ge G omes. – A inda não deu par a ficar rico , mas dur o eu n unca fiquei. P ar a montar uma barr aca na F eir a do Rolo , que é r egularizada pela pr efeitur a, os e xpositor es têm que compr o v ar a pr ocedên- cia dos pr odutos. A pós a análise e apr o v ação dos documentos, pa- gam taxa de R$ 20,00 a cada sá- bado par a gar antir seu espaço . As cer ca de 360 barr acas ofi - ciais começam a ser montadas na madrugada de sábado . Há, também, centenas de e xposito - r es que não conseguem se ca - dastr ar . São os c hamados “sem teto”, que disponibilizam seus pr odutos em lonas no c hão . A partir das 5h, já começam a c he - gar os primeir os visitantes em busca das melhor es peças. – Algumas pessoas quer em se li vr ar dos objetos e aca bam v endendo tudo par a qualquer um e a pr eço de banana. Os colecionador es, que já conhe - cem a feir a, c hegam cedo par a e vitar que isso aconteça e eles per cam os objetos mais r ar os – e xplica Raphael Silv a. O local é di vidido em seis mó- dulos. Ao visitar a feir a o público encontr a de cartas antigas a pe- ças de louça das décadas de 40 e 50. Muitas v ez es desv alorizadas, as mais di v er sas antiguidades são v endidas a pr eços mínimos. – A feir a começa nas primei - r as hor as de sábado e v ai até três da tar de – inf orma Moacir Nunes, um dos barr aqueir os. – A maior parte do público é de colecionador es em busca de no - v os itens par a seus acer v os, mas há vários curiosos, que aca bam se encantando com os objetos. Um deles é o agente adminis- tr ati v o Luiz Roberto . – V enho à feir a par a passear . É um pr o g r ama gostoso . P asso por aqui e v ejo objetos que via na casa da minha mãe e da minha a vó – di v erte-se Luiz Roberto .-->Fotos de Rober ta Hoer tel-->QUINQUILHARIA -->– Na Feira do Rolo se acha de tudo: por celana, louça, fer ramentas, brinquedos antigos e até velhos maçaricos-->antiguidades