No ar, a Era do Rádio

-->N O S TA L G I A-->Relíquias expostas no Instituto Cultural Cravo Albin, na ur ca, ofer ecem uma viagem no tempo-->José Luiz de Pinho-->Sapatos da P e quena Notáv el Carmen Mir anda, violão de He - ri v elton Martins, r a beca de Pixin - guinha e c hapéus panamá de T o m J obim e Mor eir a da Silv a. Andar pelas dependências do Instituto C u l t u ra l C ravo A lbin, na Ur ca, é v oltar no tempo e se deliciar com a história da Er a do Rádio . São r elíquias que os anos não conseguem tir ar o brilho , mesmo passadas quase oito décadas. E a essência dessa rica história pode ser r esumida nos antigos e in - tactos micr of ones de pé das rádios Ma yrink V eiga e Nacional. – É u m acer v o f antástico . Co- mo essa caixa de som, com o desenho de r osas, que f oi dada, de pr esente, à C armen Mir anda na década de 30 – conta o his- toriador de música Ricar do Cr a- v o Albin, idealizador do Insti- tuto . – Assim como essa mesa de som da década de 40. Hoje em dia, tudo é digital. Fundada em 1926, na Pr aça Mauá, a Rádio Ma yrink V eiga PRA-9 f oi a pr ecur ssor a da er a do rádio . Em seu micr of one cantar am desconhecidos, que se tornar am ídolos da música popular . Nomes como Carmen Mir anda, Ar y Barr oso , Dalv a de Oli v eir a, Heri v elton Martins e Ângela Ma - ria passar am pela rádio , que ficou 38 anos no ar . F oi e xtinta em 1964, após o golpe militar , já que um de seus sócios er a o e x-go v ernador Leonel Briz ola, cunhado do pr e - sidente deposto J oão Goulart.-->O glamour da Nacional-->Já a Rádio Nacional do Rio , criada em 1936, também na Pr aça Mauá, f oi a primeir a a ter alcance em todo o Br asil. T r ansf ormada estatal em 1940, pertence ao Sis - tema Radiobrás e fez 74 anos dia 12 de setembr o . A emissor a tinha o melhor elenco de músicos, can - tor es e r adioator es da época. – T r a balhar na Rádio Nacional er a um glamour par a artistas na época até 1950. Er a o suficiente par a o artista conseguir pr estígio e sucesso – lembr a Ricar do . Em 1941, a R ádio Nacional criou a primeir a r adiono v ela do país, -->“Em b usca da F elicidade -->”. E pr o g r amas de humor , como -->“Ba - lança mais não cai” -->, com P aulo Gr acindo , Br a ndão F ilho , W alter D’Ávila. F oi pioneir a no r a diojor - nalismo ao criar o noticiário -->“Re - pórter Esso” -->, dur ante a I I Guerr a Mundial, e ficou no ar até 1968. Entr e vários artistas, a Nacional r e v elou Roberto Car los. Quando ainda er a p le beu, ele vi via pelos corr edor es da rádio esper ando uma oportunidade par a cantar . Até que o apr esentador César de Alencar lhe deu uma c hance, ala - v ancando a carr eir a do cantor , que se tornou r ei e é sucesso até hoje.-->Continua na página seguinte-->ar,