Cultura: Quem vence guerra de audiência na TV?

Novelas, realities shows, comédia disputaram preferência do público em 2012

Audiência e Ibope. Estas foram as palavras mais comentadas no mundo da televisão brasileira em 2012. O público está cada vez mais exigente e, para atrair a atenção dos espectadores, as emissoras de TV usaram de diversos artifícios para se manterem entre as primeiras na preferência do público. Algumas ações deram certo, outras nem tanto.

Bom humor cheio de graça

A MTV novamente aparece como fábrica de bons apresentadores.Com um humor crítico, rebelde, mas também inteligente e nem tanto agressivo (em alguns casos). Nos programas Comédia ao Vivo, Furo e Trolalá, os comediantes Bento Ribeiro, Dani Calabresa, Tatá Werneck, Marcelo Adnet e Paulinho Serra inovaram, o que chamou a atenção de emissoras concorrentes. Dani Calabresa fechou contrato com a Band e seu marido, Adnet, estaria negociando sua ida para a Rede Globo. Tatá Werneck pode substituir Ingrid Guimarães na próxima novela do autor Walcyr Carrasco.

Nesta última emissora se destacaram ao longo do ano Thalita Carauta e Rodrigo Santana e seus personagens no programa Zorra Total. No dominical Os Caras de pau, Marcius Melhem e Leandro Hassum apresentavam esquetes com um humor que lembra o dos Trapalhões. Falando nisso, Renato Aragão viu seu programa A turma do Didi sair da grade da TV Globo, o que surpreendeu o público.

Agora é Tarde, programa de Danilo Gentili, ex-CQC, tornou-se uma das grandes apostas por meio do seu humor com pitadas de sarcasmo e comentários atuais, característicos do stand-up comedy. O comediante fez sucesso, assim como seu programa de origem, o CQC, que promete novidades para 2013.

O polêmico Rafinha Bastos, que também saiu da Band, trouxe para o Brasil o programa Saturday Night Live, conhecido mundialmente, mas o formato não emplacou e deixou a desejar na audiência. O programa Pânico saíu da Rede TV e migrou para a Band e lá foi mostrada ainda mais sua irreverência escrachada, fazendo graça com diversos programas e novelas. O humor em 2012 entrou na disputa pela preferência do espectador,  quem mais lucrou, com muitos risos.

Vozes, ídolos e talentos

Pegando carona na onda de realities shows musicais internacionais, as emissoras importaram e investiram em formatos que fizeram sucesso. Em setembro, a Rede Globo estreou o The Voice Brasil, versão do programa original holandês, que renovou as tardes de domingo na emissora. Com uma nova proposta, que preza pela voz dos competidores, não pelo conjunto de beleza e presença de palco. A brasiliense Ellen Oléria se consagrou campeã da primeira edição.

A Rede Record promoveu este ano a última temporada de Ídolos, cujo campeão foi o gaúcho sambista Everton Silva. O programa não alcançou a audiência esperada e será substituído pelo Got Talent Brasil, edição brasileira do show de calouros britânico que descobriu a cantora Susan Boyle, em 2009. A versão daqui será apresentada por Rafael Cortez, ex-integrante do CQC.

Para entrar na disputa musical, a Band e o SBT já demonstraram interesse em produzir a franquia nacional do X-Factor, atração que faz sucesso no mundo todo. O canal de Silvio Santos exibe atualmente o programa Astros, que tem concepção similar ao Got Talent, que a Record estreia em breve. A corrida pela conquista do interesse do público ganhará novos ares musicais.

Programas para quem gosta de espiar, debater, com polêmicas

A Record trouxe em 2012 a quinta edição de A Fazenda, que tem como elenco celebridades. O programa terminou no fim de agosto e teve como vencedora a modelo e atriz carioca Viviane Araujo. Ao extrair um pouco mais da fórmula pessoas confinadas em uma casa + câmeras por todos os lados + prêmio em dinheiro, a emissora lançou dois meses depois A Fazenda de Verão, com anônimos. Porém, três candidatos desistiram ao longo da exibição e um foi expulso por “comportamento incompatível com o funcionamento do reality show”, colocando em questão até quando um programa pode ser explorado para provocar o público.

A Rede Record exibiu uma entrevista no dia 09 de dezembro com Guilherme de Pádua, julgado e condenado pelo assassinato da atriz Daniela Perez, filha da autora Glória Perez, ocorrido há 20 anos. A matéria, que teve mais de 42 minutos, trazia o depoimento dele e informações sobre o crime. A entrevista não agradou a todos, recebeu muitas críticas do público e por fim, a emissora foi proibida de reprisar a reportagem.

Como de costume, no início do ano, a Rede Globo realizou mais uma edição do Big Brother Brasil, a décima segunda. Desta vez, a atração foi marcada pela expulsão de um participante por 'infração de regulamento', após uma suspeita de estupro dentro da casa. Embora não alcance os grandes níveis de audiência de suas primeiras fases, o BBB continua gerando interesse por parte do público e quando está no ar, torna-se um dos assuntos mais comentados.

Na mesma emissora, estreou em junho o Encontro com Fátima Bernardes, com a apresentadora, que teve a responsabilidade de mostrar audiência pelas manhãs. A atração fecha o ano com audiência abaixo da esperada, enfrentando diretamente Record e SBT. Com expectadores exigentes, as emissoras criam expectativas, embora muitas vezes o público não compre a ideia dos programas.

"Sílvio Santos vem aí..."

Ele é um dos maiores comunicadores do país. E este ano Sílvio Santos teve dois trunfos: atualizar-se com as novidades e apostar em atrações do passado. Ao perceber o sucesso da música Gangnam Style, do sul-coreano PSY, que ganhou o mundo e obteve mais de um bilhão de visualizações no Youtube, o empresário tratou de fazer uma versão da música para as diversas vinhetas de fim de ano de sua emissora.

A pegadinha da menina fantasma, exibida em seu programa dominical, fez sucesso no Brasil e no mundo, e mostrou que Sílvio consegue sempre reinventar seu modo de fazer TV. Apostou na refilmagem da novela infantil Carrossel e conquistou o público, chegando a bater de frente na audiência com o Jornal Nacional. Junto à mulher, a dramaturga Íris Abravanel, já prepara a nova versão de Chiquititas para 2013.  E desta forma, Sílvio Santos volta à briga pela audiência na TV brasileira, inovando e ao mesmo tempo se reciclando.

Folhetins nossos de cada dia

As novelas atraíram grande interesse nacional em 2012. Um dos motivos do sucesso foi a abordagem de temas mais próximos à realidade. Vida no subúrbio, traição, luta entre mocinha e vilã, música e romance cativaram o brasileiro e acirraram a disputa do Ibope.

Griselda, Tereza Cristina e Crodoaldo Valério são os nomes de alguns dos personagens da novela Fina Estampa, de Aguinaldo Silva, cujo último capítulo em 23 de março deste ano.  A protagonista da história, que tinha o apelido de Pereirão, teve vida humilde, foi mecânica, e mesmo após ganhar na loteria, não perdeu seu jeito simples. Foi um sucesso de audiência, o que ocasionou várias comparações com o folhetim que estreou logo após, Avenida Brasil.

João Emanuel Carneiro e sua Avenida Brasil¸geraram uma verdadeira comoção no país, tanto na TV quanto na Internet. O povo parou diversas vezes para ver as histórias de Carminha, Nina, Tufão, Nilo, Jorginho, entre outros personagens e dançar ao som da trilha sonora. Até a presidente Dilma alterou o horário de um comício para que o horário do evento não confrontasse com o do último capítulo do folhetim. A novela atingiu picos de 54 pontos de audiência e consagrou Adriana Esteves, Débora Falabella, José de Abreu e tantos outros atores como grandes nomes da teledramaturgia.

Outro sucesso de 2012 foi a história das três empreguetes, vividas por Taís Araújo, Leandra Leal, Isabelle Drummond, na novela Cheias de Charme, de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira. A exibição da música de abertura, Ex-My Love, cantada por Gaby Amarantos, ajudou a popularizar o tecnobrega, ritmo vindo do Nordeste que ganhou o país.

A refilmagem da novela Guerra do Sexos, de Silvio de Abreu, e Salve Jorge, de Glória Perez, que também estrearam neste ano, vêm oscilando no Ibope e na preferência do espectador. A batalha pela atenção do público está longe de terminar e as emissoras vêm apostando suas fichas de todas as formas para agradar.