Crítica: 'Star Wars: Episódio I – A ameaça fantasma 3D'

Estreia esta sexta-feira (10) uma nova versão do primeiro filme da série Star Wars, Episódio I - A ameaça fantasma. A onda 3D invade nossas telas e releituras de todos os clássicos podem acabar passando por este efeito. Assim foi com o vídeo, beta, dvd, blu-ray e será que vai acontecer o mesmo com o 3D? Essa foi a pergunta, ao saber que George Lucas estaria voltando com todos os filmes da série, só que agora em 3D e na ordem cronológica. Para os fãs de outrora a notícia é velha, mas para os novos adeptos de Star Wars não. Este é o primeiro filme da segunda trilogia a ser apresentada enquanto a primeira trilogia era, na verdade, a continuação desta segunda. Embolou um pouco? Calma.

Lucas encantou a todos com os episódios IV, V e VI, (Uma nova esperança, O império contra-ataca e O retorno de Jedi), os primeiros a serem filmados e lançados nas telonas. Os longas se transformaram em um grande cult do cinema e legiões de fãs aguardavam ansiosos pelos três primeiros episódios (A ameaça fantasma, Ataque dos clones e A vingança dos Sith), apresentados 22 anos depois. O bom é que, apesar de terem sido apresentados de forma trocada, os três últimos episódios eram muito melhores. Se lançados na ordem correta, talvez não tivéssemos assistido aos três primeiros episódios.

Neste primeiro episódio, temos o vilão Darth Vader, antes de se entregar para o lado negro da força, antes de saber sua jornada e conhecer seus poderes. Ele se chama Anakin Skywalker (Jake Lloyd), um garoto que vive como escravo ao lado de sua mãe e será libertado por um mestre jedi chamado Qui-Gon Jinn (Liam Neeson). Obi-Wan Kenobi (Ewan McGregor), sábio Jedi da série original, é um jovem e determinado aprendiz. Junto com Qui-Gon Jinn irá defender o povo de Naboo e sua rainha Amidala (Natalie Portman). Uma força malígna espera nas sombras o momento certo de atacar. Traição e ganância podem terminar com a paz na galaxia e Anakin será a peça chave em toda essa luta do bem contra o mal.

Ponto forte para a cena dos pod racers que ficou como uma grande homenagem a "Ben Hur" e sua corrida de bigas. O problema é que, apesar de emocionante e maior que no filme em 2D, a cena de corrida mais parece um curta dentro do filme. O roteiro do primeiro episódio não é tão bom quanto os dos episódios IV, V e VI e gerou muita polêmica em 1999, ano de lançamento, sendo considerado, por muitos, o mais fraco. 

O 3D também é fraco e se limita muito à profundidade de campo e imagens com foco em primeiro e segundo plano, com pontos mais elaborados em cenas que eram feitas por computador. A expectativa fica em torno dos três últimos filmes que devem arrastar uma multidão para assistir ao fim de uma saga. Uma das franquias mais lucrativas de todos os tempos está de volta. Agora é esperar ansiosamente pela segunda trilogia, mas infelizmente, os dois próximos filmes da primeira não devem trazer muita coisa. A impressão que fica deste A ameaça fantasma ainda é a mesma que deixou em 1999, muito fraco. 

Cotação: º (Ruim)

>> Locais em que o filme está em exibição entre 24 de fevereiro e 1 de março 

Barra: UCI NY 2: 22h. Cinemark Downtown 10: 22h10 

>> Programação de Cinema completa de 24 de fevereiro a 1 de março