Brasileiro paga R$ 5 mil para ser voluntário no Pan de Guadalajara

Entre os muitos voluntários dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, alguns brasileiros integram a lista. E entre os brasileiros, um deles chegou ao México com história para contar: Leonardo dos Reis, 32 anos, que participa da segunda edição consecutiva do evento.

Professor de educação física e tesoureiro da Prefeitura de Cataguases (MG), o voluntário é árbitro da Confederação Brasileira de Voleibol. E mesmo em meio a tantas atividades, conseguiu férias para oferecer seus serviços ao Comitê Organizador do Pan de Guadalajara.

Leonardo chegou a Guadalajara em 11 de outubro, a três dias da cerimônia de abertura, e fica até 3 de novembro, sem participar dos Jogos Parapan-Americanos - culpa, segundo ele, do fim das férias. A brincadeira, porém, não saiu barata: ele mesmo calcula ter gasto cerca de R$ 5 mil para custear suas despesas, que envolveram passagens e hospedagem.

"Até tem como diminuir esse custo. Alguns voluntários daqui hospedam voluntários de fora em casa. Mas cheguei em cima da hora, não teve como", conta Leonardo, que viajou sem nem sequer ter a confirmação se sua inscrição como voluntário seria aceita. "Viajei mais como turista, porque não tinha a confirmação", explica.

Em seu processo de inscrição, Leonardo conta ter contado mais uma vez com uma ajudinha. Depois de realizar a fase de capacitação geral e as provas online, teve que se ausentar das provas presenciais. "Duas viagem para o México no mesmo ano fica muito caro", explica.

Leonardo, porém, foi aceito pelo Comitê Organizador dos Jogos Pan-Americanos (Copag). Hoje, fica em hotel e conta com alimentação e transporte às provas oferecidos pela organização. Mesmo assim, comemora a presença no evento e a participações em provas ¿ inclusive nas quais encontra atletas e outros voluntários do Brasil.

Os investimentos de Leonardo, porém, são menos incomuns do que podem parecer. "A alimentação durante os turnos de apoio (dos voluntários), quem proporciona é o comitê, e o transporte até as sedes pan-americanas, além dos uniformes", explica Alejandra Guitrón, responsável pela coordenação dos voluntários do Pan. O restante é por parte dos interessados.

Ao todo, segundo a representante do Copag, 37 mil pessoas se ofereceram para trabalhar no Pan, dos quais 7,6 mil passaram pelo processo de seleção. Os escolhidos se registraram, foram entrevistados, fizeram provas de capacitação (online e especializada) e confirmaram participação. Além de mexicanos e brasileiros, os interessados partiram também de países como Colômbia, Venezuela e até da França.

Leonardo, porém, não será uma exceção por ficar de fora do Parapan. "Dos 7,6 mil voluntários, somente 3 mil serão selecionados para os Jogos Parapan-Americanos", explica Alejandra Giuitrón.