Antes do Pan, Daiane e Diego fazem voo de 93 horas e encaram dois tufões

Durou 93 horas a viagem que a equipe brasileira de ginástica artística fez ao Japão para a disputa do Mundial da modalidade, entre os dias 7 e 16 de outubro. O evento foi o último de Daiane dos Santos, Diego Hypólito e companhia antes dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, e foi marcado por uma história muito peculiar: o assustador voo da equipe até Tóquio, passando pelo México antes do Pan.

Quem conta é a própria Daiane, em entrevista exclusiva ao Terra. "Quando a gente chegou ao Japão, o comandante falou que a gente teve sorte de estar vivo, porque passou por dois tufões. A gente sobreviveu aos dois, ficou perdido 15 minutos no ar - nós e mais oito aviões, mais ou menos. E a chance de a gente tinha de ter batido em outro avião era muito grande", explica ginasta gaúcha.

Posteriormente, Diego Hypólito também confirmou a história. "Foi uma turbulência que deu um pouco de medo. O voo foi bastante ruim, foi bastante longo. A gente teve que arremeter três vezes - uma vez aqui no México e duas vezes no Japão. A gente ficou com um pouquinho de receio", explicou o ginasta, que já não gosta de voar.