Ney Franco detona gramado sintético: "é para chopinho e pelada"

O técnico Ney Franco detonou o gramado sintético do Estádio Omnilife nesta quarta-feira, após empate da Seleção Brasileira por 1 a 1 contra a Argentina, em duelo válido pelo Grupo B dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara. De forma irônica, o comandante declarou que o local é ideal para realizar partidas de fim de semana entre pessoas de terceira idade.

"Falar do campo é complicado, todo mundo diz que é para os dois. Mas esse, infelizmente, é campo de fim de semana, (para o pessoal) de 60 ou 70 anos tomar um chopinho e jogar pelada", disse o treinador brasileiro, logo após o empate da Seleção contra os arquirrivais argentinos.

O Omnilife possui grama sintética e é a casa do clube local Chivas Guadalajara, um dos mais tradicionais times mexicanos. No estádio, foi celebrada a Cerimônia de Abertura dos Jogos Pan-Americanos na última sexta, e sua capacidade é de 49.850 pessoas.

"O futebol técnico fica claro abaixo do esperado por causa do gramado. É uma pena num estádio com uma estrutura boa como essa", acrescentou Ney Franco, que ainda fez uma análise tática da partida. "Jogamos sempre buscando a vitória. Foram dois tempos distintos, o primeiro muito truncado. No segundo, mais aberto, com substituições dois dois lados que promoveram entradas de jogadores mais leves. Foi lá e cá, como tem que ser um Brasil x Argentina", definiu.

O treinador também aproveitou para falar sobre a expulsão do zagueiro Romário, que recebeu o cartão vermelho junto do argentino Araujo. "Não conseguimos ver direito o lance do banco. Vamos analisar para saber se foi um erro do jogador. Se foi um erro, vamos conversar para não mais acontecer em uma competição tão curta. Se não foi, vamos pensar na próxima partida", definiu.

No empate contra os argentinos, os gols foram marcados por Henrique, do São Paulo, e Araujo, do Boca Juniors, ambos no segundo tempo. O resultado deu um ponto para cada equipe e deixou a Costa Rica, que bateu Cuba por 1 a 0, na liderança do Grupo B da competição. Os próximos rivais brasileiros são os cubanos, na sexta-feira, às 20h (de Brasília).

"Temos mais tradição, mais camisa, jogadores mais talentosos, mas não é o suficiente para vencer. Temos que recuperar os atletas e jogar forte, no nível que jogamos hoje. Se jogarmos no nível que jogamos hoje, temos condições de vencer", finalizou Ney Franco sobre o próximo adversário, a seleção de Cuba. "Temos que ter competência agora para vencer os dois jogos e ter um foco bem definido de sermos os primeiros da chave", concluiu.