Brasileiras criticam sequência de provas na natação e apontam cansaço

Os horários de provas da natação nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara não têm agradado aos atletas brasileiros. Nesta quarta-feira, após as provas de classificação no Centro Aquático Scotiabank, parte da delegação lamentou a sequência de provas, que começa de manhã e só termina à noite.

"Hoje de manhã, estava sentindo um pouco a prova de ontem do revezamento. A gente chegou supertarde na Vila (Pan-Americana). Tive que acordar antes das 7h da manhã. Estava sentindo o corpo meio dormindo ainda", disse Tatiana Barbosa, que fez o segundo tempo na terceira eliminatória dos 100 m livres feminino nesta quarta-feira.

Na vésperar, Tatiana havia disputado a última prova da programação, a final do revezamento 4x200 m feminino, na qual o Brasil ficou com a prata. A prova foi realizada às 20h29 (horário local, 23h29 de Brasília). Classificada para a final dos 100 m livres feminino, ela volta à piscina ainda nesta quarta-feira, às 19h04 (horário do México, 23h04 de Brasília).

Mesmo assim, ela espera vencer o cansaço. "Acho que agora é nadar com coração, com superação, e busca r as medalhas", disse Tatiana. "O objetivo é a medalha, brigar por medalhas", afirmou também a brasileira.

Outra que reclamou da bateria de piscinas foi Joanna Maranhão, dona do segundo melhor tempo na primeira eliminatória dos 200 m borboleta e quarto no geral. Na terça-feira, ela também participou da equipe do revezamento 4x200 m, abrindo a série que conquistou o segundo lugar na final. Antes, nadou a final dos 200 m medley e foi bronze.

"Tentei nadar tranquila, controlar mesmo, para fazer uma prova melhor à tarde (final). Saí muito tarde daqui ontem, que nadei duas, e as provas agora são mais para classificar mesmo", disse, mas sem dar o braço a torcer. "Cansa, mas a gente treinou, e todo mundo está preparado para isso", completou.

Tatiana Barbosa, por sua vez, também está otimista com a marca alcançada na eliminatória dos 100 m livres. Com 56s47, foi o segundo tempo da terceira eliminatória e o quinto da classificação geral. Agora, espera ver na prática o que pode acontecer na decisão.

"Tem que ser na água. O tempo no papel não fala muita coisa", afirmou. "Tem que nadar, né? Não adianta ter o tempo no papel. Acho que o mais importante é botar na agua, e é isso que eu vou tentar fazer", completou.

alcançada na eliminatória dos 100 m livres. Com 56s47, foi o segundo tempo da terceira eliminatória e o quinto da classificação geral. Agora, espera ver na prática o que pode acontecer na decisão.

"Tem que ser na água. O tempo no papel não fala muita coisa", afirmou. "Tem que nadar, né? Não adianta ter o tempo no papel. Acho que o mais importante é botar na agua, e é isso que eu vou tentar fazer", completou.