Brasil "dá o troco", bate Cuba e avança em primeiro da chave 

No duelo mais aguardado da primeira fase nos Jogos Pan-Americanos, a Seleção Brasileira feminina de vôlei venceu Cuba por 3 sets 1, com parciais de 25/23, 21/25, 25/22 e 25/18, nesta segunda-feira, em Guadalajara. Com a vitória em um jogo tenso e cheio de rivalidade, o Brasil se classificou como líder do Grupo A e ainda "deu o troco" pela derrota na final do Pan de 2007, no Rio de Janeiro, quando o País perdeu a medalha de ouro diante de um Maracanãzinho lotado.

As brasileiras iniciaram bem o set inicial e abriram 8 a 5. No entanto, após a primeira parada técnica, as adversárias reagiram e chegaram a liderar o placar por 16 a 15. À beira da quadra, o treinador José Roberto Guimarães demonstrou irritação com os erros de defesa e de cobertura da equipe campeã olímpica.

A partir das broncas do técnico, o time retomou as rédeas da partida e, com atuação destacada da ponteira Paula Pequeno, substituta da lesionada Jaqueline, fechou o primeiro set por 25 a 23. O público, que aos poucos lotou o ginásio, foi ao delírio com o último ponto.

Cuba voltou para a parcial seguinte com ataque mais equilibrado, bloqueio eficiente e muito mais vibração. Algozes do Brasil em 2007, as atuais campeãs pan-americanas impuseram um forte ritmo a partir da metade do set e incomodaram as brasileiras, que não resistiram e perderam por 25/21, depois que Paula Pequeno parou no bloqueio de Yusidey Silie.

O terceiro set foi marcado por equilíbrio e alternância na liderança do placar. Pelo lado cubano, Gyselle Silva, mesmo com uma lesão na coxa esquerda, comandou as ações. Pela equipe brasileira, a levantadora Dani Lins utilizou bastante as ponteiras e teve sucesso. O Brasil arrancou na parte final e, após um erro de Yanellis Santos, fechou por 25 a 22.

No quarto set, o Brasil demonstrou personalidade e partiu para cima das cubanas. Com investidas fortes de Paula Pequeno e bons bloqueios de Mari, a Seleção abriu vantagem de seis pontos no meio do set e deixou as rivais acuadas. No final, o time vermelho até chegou a reagir e encostou no placar, deixando as brasileiras com 21 a 18 no marcador, mas brilhou a estrela das sul-americanas nos pontos decisivos e, em saques de Scheila, a Seleção fechou o placar em 25/18.