Brasil repete Rio 2007 e conquista ouro no conjunto geral da Ginástica Rítmica 

O Brasil ratificou, em Guadalajara, a força pan-americana no conjunto geral da ginástica rítmica. Na noite deste domingo, a equipe nacional, formada por Dayane Amaral, Drielly Daltoe, Debora Falda, Luisa Matsuo, Bianca Mendonça e Eliane Sampaio, dominou as duas rotações (a primeira com cinco bolas e na sequência três fitas e dois arcos) e conquistou a medalha de ouro com 48.575 pontos, repetindo a campanha apresentada no Pan-Americano do Rio de Janeiro. O Canadá ficou com a prata e Cuba com o bronze.

A decisão do conjunto geral começou com a apresentação da Venezuela, time "azarão" da disputa deste domingo. Em uma apresentação simples, as venezuelanas não cometeram falhas, mas não obtiveram uma pontuação alta para brigar pela medalha em virtude da baixa dificuldade. A equipe que abriu a competição nesta noite terminou a primeira rotação com 22.500.

Defensor do título em Guadalajara, o conjunto brasileiro protagonizou a primeira rotação, com cinco bolas. A equipe nacional apresentou-se de forma impecável e conquistou a maior nota (25.100), número que tornou o time ainda mais favorito, especialmente depois das passagens de americanas e canadenses, principais rivais na disputa pelo lugar mais alto do pódio.

Terceiro time a adentrar o solo do Ginásio Nissan, o Canadá cometeu falhas técnicas e acabou punida pela arbitragem com o decréscimo de 0.05 pontos. A nota deixou o time canadense com 24.450, na segunda posição. Já as americanas, que sequer subiram ao pódio no Rio de Janeiro, há quatro anos, perderam 0.20 e terminaram a primeira rotação no terceiro posto, empatadas com as cubanas, com 23.600 de nota.

A virtual medalha de ouro brasileira se aproximou ainda mais depois da apresentação canadense na segunda rotação. Responsável por abrir a fase final da modalidade, a equipe da América do Norte se complicou e cometeu novamente um erro grave. A consequência deu-se na baixa nota de 23.500, que, entretanto, não tirou a medalha prateada do país. Na sequência, as venezuelanas, já fora da disputa pelo pódio, tirou 20.625.