Forças Armadas não devem se envolver nas eleições, diz presidente do STM

Em solenidade nessa quarta-feira no Superior Tribunal Militar, o general Luís Carlos Gomes Mattos reforçou que a Justiça Eleitoral é a instância responsável pelo pleito

STM/divulgação
Credit...STM/divulgação

As Forças Armadas não devem se envolver nas eleições. A afirmação foi feita pelo presidente do Superior Tribunal Militar (STM), general Luís Carlos Gomes Mattos, nessa quarta-feira (27), em uma conversa com jornalistas após a solenidade de sua despedida do Superior Tribunal Militar

Gomes Mattos se aposentará compulsoriamente este ano, quando completa 75 anos, idade máxima permitida para o cargo.

Na solenidade desta quarta-feira, segundo noticiado, ele afirmou que nas eleições deste ano, "os militares vão atuar dentro daquilo que está previsto para garantir que o processo [eleitoral] seja legítimo, e realmente que tenha respaldo popular". Ele afirmou que a instância responsável pelo funcionamento das eleições é a Justiça Eleitoral.

"Nós temos uma Justiça Eleitoral, e ela é a responsável pelo funcionamento real daquilo [eleições]. Nossa missão é diferente, não temos que nos envolver. Temos que garantir que o processo seja legítimo e tudo. Essa é a missão das Forças Armadas", disse Gomes Mattos.

Nas últimas semanas, o presidente Jair Bolsonaro vem colocando em xeque o sistema eleitoral e defendendo a participação dos militares na apuração dos votos, em uma espécie de auditoria paralela.

A medida vem causando controvérsia, uma vez que foge às regras da atuação dos militares em eleições. Este ano, segundo noticiado, os militares receberão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) R$ 110,6 milhões para atuar nas eleições, sendo R$ 59,5 destinados à logística e R$ 51,1 para segurança. (com agência Sputnik Brasil)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais