'Fake news' de líder do governo encerra sessão da CPI da covid antes da hora

Ricardo Barros declarou que o grupo de trabalho estava impedindo a compra de mais doses de vacinas pelo Ministério da Saúde. E encontrou resistência

Foto: Agência Senado / Jefferson Rudy
Credit...Foto: Agência Senado / Jefferson Rudy

O depoimento do líder do governo na Câmara, deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), nesta quinta-feira (12) à CPI da Covid, contou com muitas polêmicas e bate-boca entre o depoente e membros do grupo de trabalho, levando à suspensão da sessão.

Os parlamentares entraram em divergência sobre qual teria sido a reação do presidente, Jair Bolsonaro, ao ser informado sobre as possíveis irregularidades na contratação da vacina indiana Covaxin.

Com depoimento de início conturbado, após Barros negar ter sido citado pelo presidente Bolsonaro como partícipe da negociata da Covaxin, houve discordância dos senadores diante das declarações do líder do governo. Fora do microfone, parlamentares disseram que Barros estava "nervoso", levando o deputado a criticar a condução dos trabalhos da CPI.

"O mundo inteiro quer comprar vacina, e espero que essa CPI traga bons resultados ao Brasil. Porque o negativo já produziu muito: afastou empresas interessadas em vender vacina ao Brasil", disse o deputado.

Em resposta, o senador e presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), pediu para que Barros fizesse comentários "da porta para fora".

"Seus comentários sobre a CPI, o senhor faça daquela porta para fora. Aqui não. [...] Respeite a CPI. Não criamos versão, são fatos. Deputado Luis Miranda disse claramente que a pessoa que o presidente se referia era vossa excelência. Eu não estou interessado na opinião de depoente sobre a CPI", afirmou Aziz.

Em seguida, Aziz anunciou a suspensão da sessão e disse ainda que reavaliaria a condição de Barros como convidado da CPI. Isso significa que a Comissão Parlamentar de Inquérito pode transformá-lo em convocado, situação em que o depoente é submetido a regras mais rigorosas.

"A reunião está suspensa, e vamos avaliar o convite do deputado federal a esta comissão", disse o senador.

O nome de Ricardo Barros veio para os holofotes após ser citado no depoimento dos irmãos Miranda à CPI como sendo a pessoa que teria ajudado na articulação para compra, supostamente irregular, do imunizante indiano.

De acordo com o deputado Luis Miranda (DEM-DF), Barros seria o nome citado por Bolsonaro quando o mesmo foi alertado pessoalmente sobre trâmites estranhos na negociação. O presidente, segundo Miranda, teria dito "isso é coisa de fulano" fazendo referência ao líder do governo na Câmara. (com agência Sputnik Brasil)



Líder do governo na Câmara irrita senadores ao dizer que CPI afastou empresas de vacinas e sessão é suspensa pela segunda vez. Barros negou que tenha participado de...
Ricardo Barros em depoimento à CPI da covid