Enquanto ex-diretor da Saúde nega pedido de propina, CPI apreende celular do delator

Roberto Ferreira Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, negou que tenha solicitado propina e citou 'armação'. Após depoimento na CPI da Covid nesta quinta, Luiz Paulo Dominguetti, policial militar que o denunciou, teve celular apreendido

Foto: Agência Senado / Waldemir Barreto
Credit...Foto: Agência Senado / Waldemir Barreto

O ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, negou nesta quinta (1º) que tenha cobrado propina do policial militar Luiz Paulo Dominguetti Pereira para negociar a compra de vacinas da AstraZeneca.

Dias chegou a confirmar que se encontrou no dia 25 de fevereiro com Dominguetti, entretanto, afirmou que não tratou de "propina, pedido de dinheiro ou facilitação".

"Preciso saber qual a motivação desse senhor para nesse momento vir contar essa história absurda. Quem ele quer atingir ou proteger? Estou sendo usado de fantoche para algo?", questionou o ex-diretor do Ministério da Saúde.

Dominguetti, em seu depoimento, reafirmou que recebeu pedido de pagamento de US$ 1 (R$ 5) por dose em troca de fechar contrato de 400 milhões de doses da AstraZeneca. Segundo a mídia, ele também afirmou que atuava como representante da empresa Davati Medical Supply.

O policial declarou que, no dia, não deu voz de prisão a Dias pois se tratava de uma situação "crítica" e que havia um superior hierárquico presente.

Dias disse que não conhecia Dominguetti, e que o vendedor foi levado ao restaurante pelo tenente-coronel do Exército Marcelo Blanco, que havia trabalhado no ministério até 19 de janeiro, sendo Blanco, então, o "superior hierárquico presente" citado por Dominguetti.

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, já havia tentado exonerar Dias em outubro de 2020, mas o ato foi barrado pelo Palácio do Planalto depois de o então presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), interceder, conforme noticiado ontem (30).

Apreensão de celular

Após seu depoimento, membros da CPI decidiram apreender o celular de Dominguetti. A motivação teria sido dúvidas que surgiram entre os membros sobre o contexto de um áudio atribuído ao deputado Luis Miranda (DEM-DF), citado e reproduzido pelo policial durante a fala à comissão.

Dominguetti disse que Miranda tentou negociar aquisição de vacinas contra a covid-19 diretamente com a Davati.

Os nomes dos irmãos Miranda, de Dominguetti e da Davati vieram à tona, nos últimos dias, em razão de duas denúncias distintas de supostas irregularidades na compra dos imunizantes AstraZeneca e Covaxin.

De acordo com a mídia, Dominguetti usou o áudio como "prova" da afirmação de que Luis Miranda teria tentado intermediar compra de vacinas. Entretanto, o áudio não citou a palavra vacina ou qualquer sinônimo.(com agência Sputnik Brasil)