Deputado Luis Miranda afirma que irmão teve acesso bloqueado a sistema do Ministério da Saúde

Irmãos participaram da CPI da Covid na sexta-feira (25). Luis Ricardo Miranda é servidor da pasta e foi responsável pela denúncia de corrupção envolvendo o contrato para a aquisição da vacina Covaxin

AP Photo / Eraldo Peres
Credit...AP Photo / Eraldo Peres

O servidor Luis Ricardo Fernandes Miranda foi bloqueado ao Sistema Eletrônico de Informações (SEI) do Ministério da Saúde, onde trabalha. A informação foi dada pelo irmão dele, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), neste domingo (27), em uma publicação no Twitter. Ricardo denunciou suspeitas envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin.

Na sexta-feira (25), os dois irmãos foram ouvidos na CPI da Covid para falar sobre as suspeitas envolvendo a Covaxin. Durante quase oito horas, os dois relataram que levaram as informações para o presidente Jair Bolsonaro em março. O caso também é investigado pelo Ministério Público (MPF), que viu indícios de crime.

O Ministério da Saúde ainda não se pronunciou sobre o bloqueio do servidor.

Notícia-crime contra Bolsonaro

Depois dos depoimentos, o vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), declarou que a comissão apresentará na segunda-feira (28) uma notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF) e à Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo crime de prevaricação.

Na interpretação da comissão, a partir do momento que Bolsonaro foi informado e não agiu para investigar o suposto esquema de corrupção no âmbito da contratação da Covaxin, o presidente prevaricou.

"O presidente não mandou investigar absolutamente nada […]. Para quem joga pedra em todos, ele prevaricou. Prevaricou", disse o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM). (com agência Sputnik Brasil)