Assessor de Bolsonaro faz gesto supremacista no plenario e abre crise com o Senado; Pacheco quer sua demissão [vídeos]

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), abriu pedido de investigação contra o assessor de assuntos internacionais da Presidência, Filipe Martins

Marcelo Camargo / Agência Brasil
Credit...Marcelo Camargo / Agência Brasil

Nessa quarta-feira (24), o presidente do Senado decidiu investigar Martins devido ao gesto ligado a supremacistas brancos dos Estados Unidos, listado como símbolo de ódio no país pela Liga Antidifamação (ADL, na sigla em inglês).

O incidente do gesto ocorreu durante uma sessão do Senado na qual Martins esteve presente acompanhando o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Ainda segundo a coluna, além da investigação, Pacheco quer a demissão imediata do assessor.

Nas redes sociais, o vídeo da transmissão oficial circulou amplamente, mostrando o momento em que Martins faz o gesto.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) reagiu à situação durante a sessão, da qual participou remotamente. Exaltado, Rodrigues pediu que a Polícia Legislativa retirasse Martins da sessão, afirmando que o que houve é "inadmissível".

Mais tarde, após a repercussão do fato nas redes sociais, o assessor da Presidência ameaçou processar quem o acusa de ter feito um gesto supremacista, dizendo que apenas "estava ajeitando a lapela do terno".

Não é a primeira vez que Martins é acusado de extremismo. Em abril de 2019, o assessor do presidente Bolsonaro publicou um poema que também abria o manifesto de Brenton Tarrant, que em março daquele ano realizou um ataque terrorista em uma mesquita na Nova Zelândia matando 50 pessoas.

À época, Martins também negou as acusações, e afirmou que elas não passavam de "ativismo camuflado de jornalismo". O nome do poema continua ilustrando a conta do assessor de Bolsonaro no Twitter.(com agência Sputnik Brasil)