Após decisão do STF, Bolsonaro diz que 'ninguém vai destruir' relação entre governo e Congresso

O Supremo barrou a possibilidade de recondução de Maia e Alcolumbre para mais um mandato, decisão essa que acabou por antecipar discussões sobre a sucessão para os dois cargos

Reuters/Adriano Machado
Credit...Reuters/Adriano Machado

O presidente Jair Bolsonaro exaltou nessa terça-feira o que considera “perfeita harmonia” entre o governo e o Congresso Nacional e disse que “ninguém vai destruir” esse relacionamento, dois dias após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter proibido a possibilidade de reeleição dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“Temos hoje em dia, Ricardo Barros (falando para o líder do governo na Câmara que estava na plateia), um excelente entrosamento com a Câmara e com o Senado”, disse ele, em evento no Palácio do Planalto de lançamento de um programa de capacitação de agentes de saúde.

“Foram aprovadas medidas importantíssimas para o Brasil. Isso vem da perfeita harmonia entre o Executivo e o Legislativo, quem podia esperar isso? Há pouco tempo, anos, tínhamos problemas, uma briga quase fratricida entre irmãos, hoje tem um perfeito relacionamento entre nós e ninguém, Ricardo Barros, vai destruir esse nosso relacionamento, porque nós temos como norte o Brasil acima de tudo”, afirmou.

Na terça, a Câmara dos Deputados concluiu a votação de um projeto de autoria do governo que permite o uso progressivo de navios estrangeiros na navegação de cabotagem. O texto segue para o Senado.

Bolsonaro exaltou que “cada vez estamos nos entrosando melhor, nos entendendo melhor e essa harmonia vai prevalecer”.

O Supremo barrou a possibilidade de recondução de Maia e Alcolumbre para mais um mandato, decisão essa que acabou por antecipar discussões sobre a sucessão para os dois cargos. A posição da corte deflagrou um movimento nas duas Casas Legislativas de candidaturas com perfil independente ao Planalto, conforme mostrou a Reuters em reportagem nesta segunda-feira.

5G E VACINAS
O presidente disse que, no seu governo, cada ministro tem sua atribuição e se vive em harmonia sem nenhum ultrapassar os seus limites. Destacou que ninguém fala sobre vacina contra covid-19 com ele sem antes discutir o assunto com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, assim como não falam da adoção da tecnologia 5G sem conversar previamente com o ministro das Comunicações, Fabio Faria.

Presente à solenidade, Pazuello tem liderado as discussões sobre a compra dos imunizantes para o enfrentamento do novo coronavírus. Faria, por sua vez, tem debatido sobre qual empresa de 5G poderá participar do leilão no país de adoção dessa tecnologia.

Conforme reportagem da Reuters, o Planalto tenta encontrar formas de transformar em decreto restrições à participação no leilão da chinesa Huawei no fornecimento de equipamento para as teles brasileiras.(com agência Reuters)