Compra de 12 salas comerciais por Flávio Bolsonaro não passou por conta bancária

Segundo a investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), o senador Flávio Bolsonaro teria gasto R$ 300 mil na transação

REUTERS/Adriano Machado
Credit...REUTERS/Adriano Machado

O valor empregado nas compras dos imóveis tem origem incerta, segundo revelou o MP-RJ. A informação, revelou o site Uol, está na denúncia contra Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) enviada ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

Os investigadores apontam que as compras das salas, consideradas de alto padrão na região da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, feitas quando Flávio ainda era deputado estadual, não movimentaram as contas bancárias.

O MP-RJ aponta que houve uso de dinheiro vivo, cheques de terceiros e boletos bancários. O órgão acredita que esse tipo de movimentos seria uma forma de ocultar a origem dos recursos, suspeita de ser ilícita. A investigação acredita ainda que a compra de imóveis também seria uma forma de lavagem de dinheiro.

A denúncia do MP-RJ envolve Flávio Bolsonaro, sua mulher, Fernanda Bolsonaro, e também o ex-assessor do atual senador, Fabrício Queiroz. Outras 14 pessoas também foram denunciadas por participação em um esquema de corrupção que ficou conhecido como "rachadinha". (com agência Sputnik Brasil)