Turnê de embaixadores pela Amazônia termina sem visitar áreas afetadas por desmatamento

O vice-presidente Hamilton Mourão levou embaixadores de uma dezena de países para uma viagem à Amazônia. Mas não foram visitadas as zonas afetadas pelo desmatamento, problema que vem desmoralizando o País no exterior, com risco de boicote a produtos brasileiros

Bruno Batista/ Vice-Presidência
Credit...Bruno Batista/ Vice-Presidência

Dois meses após sete países europeus terem advertido publicamente o governo Jair Bolsonaro de que o desmatamento afasta seus investidores, o vice-presidente brasileiro, general Hamilton Mourão, levou embaixadores de uma dezena de países para uma viagem à Amazônia. Mas não foram visitadas as zonas afetadas pelo desmatamento. A turnê teve a participação dos ministros do Meio Ambiente e da Agricultura.

O Greenpeace chegou a enviar às embaixadas uma rota alternativa à projetada por Mourão. Segundo a ONG, que teria levado os diplomatas aos estados de Pará, Mato Grosso e sul do Amazonas, "uma rota que não inclui os desafios e os graves danos ambientais que a região enfrenta é uma viagem incompleta e uma oportunidade perdida". Os relatos foram publicados em reportagem do jornal "El País".

O tour incluiu a visita a um zoológico, ao Centro de Monitoramento da Amazônia (organismo militar que observa a zona com radares), a um pelotão de fronteira e a um laboratório policial que investiga crimes ambientais.

De acordo com o embaixador da União Europeia (UE) no Brasil, o espanhol Ignacio Ybáñez, é necessário que a "vontade política se traduza em resultados, em fatos, para dar resposta à grande preocupação que existe na Europa".

Além do representante dos 27 países do bloco, participaram diplomatas de Portugal, Alemanha, França, Espanha, Suécia, Reino Unido, Canadá, Peru, Colômbia e África do Sul.