Ministro pede demissão e denuncia Bolsonaro por querer ter 'acesso a relatórios de inteligência da PF'

Pedro França/Agência Senado
Credit...Pedro França/Agência Senado

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, pediu demissão do cargo em pronunciamento agora há pouco. Antes, porém, fez um resumo de suas realizações à frente da pasta, confidenciando que pedira ao presidente Bolsonaro "uma pensão" a sua família, caso algo de ruim acontecesse, uma vez que estaria abrindo mão da previdência da magistratura para assumir o cargo no executivo

A decisão de Moro —que ganhou notoriedade como principal juiz da operação Lava Jato— ocorre após a confirmação da demissão do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, pelo presidente Jair Bolsonaro publicada em edição extra do Diário Oficial da União na madrugada desta sexta-feira.

Segundo fontes no Planalto, não houve discussão sobre eventual acordo entre Bolsonaro e Moro para a escolha do sucessor de Valeixo à frente da PF —condição imposta pelo ministro da Justiça para ficar no cargo— o que levou Moro a decidir deixar o governo.

Tido como número dois do governo Bolsonaro, Moro deixa a Presidência em maus lençóis perante a opinião pública.

Ele falou que desde o ano passado o presidente vinha querendo interferir na Polícia Federal. disse também que não indicou superintendentes da PF, mas apenas o diretor geral. Acrescentou que indicações políticas não fazem bem às instituições policiais e de Justiça.

Moro contou que ontem pediu ao Bolsonaro um motivo para a demissão do ex-diretor da PF exonerado hoje, mas não teve resposta. Disse que isso quebraria a promessa feita a ele para assumir o cargo - de total independência, e que uma interferência política na PF não seria aceita.

"O problema nas conversas com o presidente, ontem, é que ele não falou só em troca do diretor geral, mas de superintendentes do Rio e Pernambuco, sem que me fosse apresentada uma causa uma razão para substituições aceitáveis", declarou.

Moro acrescentou que ontem com o presidente disse que a demissão do diretor da PF teria um impacto tremendo, e ponderou que poderia substitui-lo por alguém indicado pela própria PF, ou por ele próprio, sem interferência política, mas não teve resposta do presidente.

O ex-ministro da Justiça também fez a denúncia grave de que Bolsonaro queria alguém com quem ele pudesse falar ao telefone e pedir os relatórios de inteligência da polícia, algo que ele, Moro, não entendeu "apropriado".