Hildegard Angel: mãe de Marielle se encontra com o papa Francisco

A mãe da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), Marinete Silva, se encontrou com o papa Francisco, com quem teve a oportunidade de falar sobre o assassinato de sua filha. Ela faz parte da comissão de brasileiros que foi visitar o pontífice e denunciar o que consideram a perseguição que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vem sofrendo. 

Marinete entregou ao papa uma camiseta com imagens da filha. Por sua vez, Francisco afirmou que vem acompanhando o caso de perto, e que se preocupa com o assassinato de lideranças que defendem os direitos humanos.

>> Papa Francisco envia recado para Lula: "A verdade vencerá"

Formam essa delegação Carol Proner (jurista), Paulo Sérgio Pinheiro (professor, foi secretário de Estado de Direitos Humanos do governo FHC), Marinete da Silva (mãe da Marielle) e Cibele Kuss (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs-CONIC e a Fundação Luterana de Diaconia). ?Na quarta-feira, papa Francisco já havia recebido o ex-embaixador brasileiro Celso Amorim, que entregou a ele um livro sobre Lula. 

Segundo Carol Proner, o papa estaria preocupado com a situação da América Latina e dito que está acompanhando tudo de perto. Ela entregou dois livros a ele: um sobre o impeachment de Dilma Rousseff e o outro sobre a sentença do juiz Sergio Moro, que condenou Lula.

Proner afirmou que falou com o papa sobre a Lava Jato e a forma "seletiva" com que as condenações acontecem. Ainda segundo ela, Francisco teria repetido palavras de um discurso que fez em maio, no qual disse que "a mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas". A advogada acrescentou ainda que o papa teria dito que "hoje as pessoas precisam provar que são inocentes"e que isso seria "muito grave".