Pesquisa: eleitor quer mudar STF

Uma pesquisa feita com eleitores de todo o país aponta que a maioria dos brasileiros acha que o mandato dos ministros do Supremo Tribunal Federal deveria mudar. Atualmente, após a nomeação, um ministro só deixa o cargo ao se aposentar. Mas 64,3% dos 2.002 entrevistados acham que deveria haver um tempo determinado para o exercício da função; já 25,7% preferem manter tudo como está. A pesquisa foi realizada pelo instituto Paraná Pesquisas entre os dias 27 de abril e 2 de maio deste ano, período em que a Corte decidia o destino do foro privilegiado para políticos. 

As entrevistas foram feitas com eleitores a partir de 16 anos de idade, em 26 estados (incluindo 154 municípios) e no Distrito Federal. Além da faixa etária, os entrevistados foram divididos em grupos por sexo, escolaridade, nível econômico e posição geográfica. 

Entre as pessoas com ensino superior, a maioria (71,1%) concorda que o Supremo deva ter limite para o mandato de seus ministros. Os entrevistados com ensino fundamental que seguem a mesma opinião somam 58% do total. 

Homens e mulheres ouvidos pela pesquisa empatam quando a opinião é a favor de limitar o período de atuação dos ministros (64,3%). A pesquisa ainda abordou os eleitores para saber quantos anos deveria durar o mandato de um ministro do Supremo. 

O prazo de 8 anos – período idêntico ao de atuação de um senador da República – foi o preferido, recebendo 81% das indicações. Já aqueles que acham que um ministro deve atuar por 20 anos (tempo máximo indicado pela pesquisa) somam 3,1%. Não souberem ou preferiram não opiniar somam 4,3%.