Número de desaparecidos de prédio que desabou em SP sobe para 49

O número de moradores do Edifício Wilson Paes de Almeida, no Largo do Paiçandu, que ainda não se apresentou à equipe de assistência social da Prefeitura de São Paulo subiu para 49 pessoas. Na madrugada, chegou a ser informado que mais pessoas teriam sido identificadas, reduzindo o número para 29. Depois, contudo, o número voltou para os 44 informados no dia anterior. As informações são do jornal Estado de S. Paulo

Dados da Prefeitura de São Paulo revelam que 317 pessoas viviam no local consumido por incêndio na madrugada de terça-feira (1°). O processo de retirada dos escombros ocorre de forma manual e com o auxílio de uma retroescavadeira.

>> Entidades preparam atos de protesto e de auxílio a vítimas de prédio

Além do homem que estava sendo resgatado no momento do desabamento, identificado como Ricardo, moradores da ocupação disseram que uma mulher chamada Selma não teria conseguido sair do prédio com seus dois filhos gêmeos de oito anos de idade. "Todo mundo conhecia a Selma, lutadora como a gente. Ela morava no oitavo andar e não conseguiu sair", contou o desempregado Cosme Aleixo da Silva, de 54 anos.

Segundo os Bombeiros, 75 homens e mulheres da equipe de resgate trabalham na madrugada desta quarta-feira (2) para tentar salvar alguém com vida dos escombros. O major Schroeder afirmou que os agentes estão usando equipamentos menores como britadeiras para retirar as estruturas e só depois de 48 horas da tragédia, quando a chance de encontrar alguém com vida é quase nula, que eles usaram máquinas pesadas como retroescavadeiras.

>> Cruz Vermelha recebe doações para desabrigados de incêndio em SP

>> Temer determina a ministro esforços para reduzir danos de desabamento

>> Moradores do prédio que desabou pagavam aluguel

>> Veja o momento do desabamento do prédio em chamas, em São Paulo

>> Há pelo menos três versões para o início do incêndio de prédio em SP

>> Imprensa internacional repercute queda de prédio em São Paulo