Henrique Pizzolato, condenado no mensalão, é libertado

Ex-diretor do BB foi beneficiado pelo STF com condicional

O ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado a 12 anos e sete meses de prisão no processo do mensalão, foi solto nesta quinta-feira (28), um dia depois de ter recebido liberdade condicional do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Pizzolato deixou o Completo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, por volta de 14h. O benefício foi concedido ao ex-banqueiro porque ele já cumpriu um terço da pena e tem histórico de bom comportamento na cadeia.

Além disso, o ex-diretor aceitou pagar multa de R$ 2.175 por mês até completar o valor de R$ 2 milhões, o que dá 920 prestações mensais, ou 76,6 anos - Pizzolato tem 65. Ele já estava em regime semiaberto desde maio de 2017.

Condenado por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Pizzolato fugiu para a Itália após o veredito, usando um passaporte falso em nome de um irmão morto. No entanto, acabou extraditado em outubro de 2015, encerrando uma longa novela judicial. O ex-diretor tem cidadania italiana e cumpriu parte da pena no país europeu.