"Você vai se ferrar. Vou transferir a cracolândia pra lá", diz Silvio Santos para Zé Celso

Os dois disputam o terreno do Teatro Oficina em São Paulo

Um vídeo divulgado neste domingo (29) que reúne o prefeito de São Paulo, João Doria, e o vereador Eduardo Suplicy, com o dramaturgo Zé Celso e o apresentador Silvio Santos para tentar chegar a um acordo sobre o terreno do teatro Oficina, no bairro do Bixiga, em São Paulo, chamou atenção dos internautas e virou piada. A coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, teve acesso ao conteúdo completo.

Silvio Santos não abandonou o tom de brincadeira, o que deu um ar de comédia ao encontro. “Meu secretário deu uma boa ideia: a gente coloca lá a ‘drogalândia’, como é que é, a cracolândia, e o drogado que mais se destacar no dia ganha um prêmio”, disse.

O apresentador conseguiu autorização no Condephaat, conselho estadual de patrimônio, para construir um conjunto de torres residenciais no terreno vizinho ao teatro Oficina, de Zé Celso. Silvio comprou o terreno ao lado do teatro Oficina, mas havia sido impedido de construir lá porque o edifício do teatro, reformado por Lina Bo Bardi, é tombado em 2010 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Doria se propôs a mediar o conflito de interesses entre Zé Celso, que deseja construir um parque com teatro ao ar livre no terreno que rodeia o Oficina, e Silvio, que é dono do espaço e quer erguer ali três torres residenciais de mais de cem metros de altura cada uma. 

O prefeito propôs uma solução intermediária: um “polo cultural” e um “mall”, disse - entre as muitas palavras em inglês citadas por Doria -, o que significa um pequeno shopping, entre outras possibilidades de empreendimento privado. 

Em resposta, Zé Celso argumenta que a cidade já tem muito concreto e que o espaço é a última alternativa de um parque verde na região. "Prefeito, eu tenho 80 anos, Silvio tem mais, a gente nem vai ver o resultado disso, mas a cidade vai, a cidade fica aí, depois de nós e a cidade de São Paulo precisa de mais áreas verdes, ela não aguenta mais tanto shopping, tanto carro, tanto concreto", explicou. Ele acrescenta que o parque verde poderá receber tendas para festivais de música, teatro e circo. "Não precisa construir nada", destacou o dramaturgo.